Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia, e as minhas pescarias na região Oeste e não só.

Seguidores

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Siga de mão bem quente

No passado domingo dia 21 de Setembro realizou-se o 1º convívio de pesca dos «Unidos da Pesca», este é um grupo de ex-pescadores do A.C.B.S.A Varatojo  formado este ano, sendo um grupo de malta amiga é mais um convívio no concelho de Torres Vedras, assim fiz questão de participar apesar do tempo não ser muito e ter compromissos familiares.
A ideia era  ir pescar e depois da pesca cumprir os meus compromissos familiares, não podendo estar presente no almoço e entrega dos prémios.
Esta foi mais uma prova em que não houve tempo para grande preparação, deixando para o dia da prova as escolhas de spot.
Com o companheiro do costume, depois da concentração e sorteio no pinhal dos Casalinhos de Alfaiata onde compareceram 70 pescadores, arrancamos para o mar no GPS estava marcado Porto Chão, chegados lá as condições não podiam ser melhores, mar com uma porrada mas com boa cor, pouco vento, maré a virar para a enchente, apenas os enchios dificultavam a tarefa.
Desta vez já levava uma cana montada com fio 0,16mm e uma bóia de 3grs, para aproveitar ao máximo o tempo de pesca já que as primeiras horas de pesca seriam as que melhor deixariam pescar.
Depois de preparar um balde de engodo, fui salpicando as pedras e lajes de dentro para fora, coloco a caixa de filetes de sardinha à cintura e lá vou eu até onde o mar deixava, uma vez que já enchia não consegui estar lá dentro muito tempo, mas nos 10 minutos que lá tive, tirei 3 sargos e uma tainha, depois fui obrigado a vir cá para fora, e mesmo com pouca agua o peixe estava lá e fui tirando uns atrás dos outros, entre os muitos sargos ainda deu uma baila, um robalote e 9 tainhas.


Por volta das 11 e meia tinha a pesca feita, o mar já bem cheio não deixava pescar à bóia, ainda pesquei à chumbadinha, mas incrivelmente não senti nada, onde terá ido o peixe com o encher da maré?
Apesar de tudo a pesca correu muito bem e no final a lata estava bem cheia, agora era rumar a casa e esperar pacientemente pelas novidades para saber como tinham corrido as pescarias dos restantes concorrentes.
A Associação Recreativa do Carvalhal, que cedeu as suas instalações para a 2ª parte do convívio, o almoço e entrega de prémios, pelo que me contaram, pois não estive presente, tudo esteve muito bom, desde o almoço, montra de prémios, bem como em toda a organização desta prova.
Restava esperar pelos resultados finais, que não podiam ter sido melhores, mais uma vitória totalizando 28370pts , esta com sabor especial pois fica marcado na história deste clube como o vencedor do 1º convívio de pesca, arrecadei ainda o prémio para o maior nº de exemplares, como não estava presente para a entrega dos prémios o monarca Joaquim Franco representou-me muito bem.
Em 2º lugar com uma bela pescaria de sargos ficou o António Inácio com 20100pts, que deu uma tareia no seu filho Nelson Inácio que ficou no 3º posto a fechar o pódio totalizando 18260pts.  
Por equipas ganhou a Bordinheira, e por clubes o G.A.P. de Magoito, o maior exemplar foi uma tainha com 1,285kg capturada pelo Fausto Matos da Bordinheira.
Resta-me deixar uma palavra a este novo grupo, espero que continuem o bom trabalho pois este é o rumo certo, e para o ano espero participar novamente e que compareçam muitos mais participantes.

segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Pesca da sardinha proibida, e agora?

Até ao final do ano, está proibida a pesca da sardinha.
A interdição entrou em vigor à meia-noite de sabado e em causa está o facto de a frota ibérica ter atingido o limite máximo de captura para este ano. 
Esta foi apenas a antecipação obrigada da pausa para o defeso desta espécie que costuma ser feita apenas a partir de Novembro altura da desova.
Como pescador de bóia sou grande consumidor de sardinhas, gasto em média 5kg por pesca para engodo e isca, na maior parte das vezes ainda sobra alguma, olhem que não sou exagerado tenho colegas que gastam 10kg por pesca, eu tento rentabilizar da melhor maneira estes recursos sem desperdiçar nada, além de poupar dinheiro ajudo na preservação desta espécie já que a maior parte da sardinha que gasto é excedente das vendas de peixeiros e que já não servem para consumo. 
Muitas vezes já me questionei, que este tipo de pesca que faço recorrendo a engodo tem os dias contados, ou passará a ser para ricos, senão vejamos, à pouco mais de uma década comprava-se sardinha para engodo a pouco mais de 25 cêntimos kg, agora compra-se a 1 euro e tal, a tendência é o preço continuar a subir dada a escassez de sardinha.
Será que terei de voltar a pescar ao fundo(Surfcasting) ou fazer outro tipo de pesca dentro em breve?
Fica a questão apenas para reflexão.

sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Dia de festa rija ;)

Antes de começar este relato queria agradecer a todos os amigos e seguidores deste blog pelas metas atingidas, 200000 visitas, quase 300 amigos e seguidores é obra, muito obrigado a todos, sem vocês este projecto não faria sentido.
Vamos então ao relato deste dia de pesca e não só.
Depois de uma pausa para férias no campeonato, este domingo retomamos as provas com a realização da 8ª prova.
Como fazia anos no sábado, «Estou a ficar velho!!! ;) »,  não houve grande tempo para definir planos, assim a voltinha aos pesqueiros no dia anterior não pode ser feita, apenas tirei o engodo e isca no dia anterior para descongelar, o resto teve de ser feito no próprio dia.
Depois da concentração habitual na sede arrancamos para o mar, comecei por passar pelos pesqueiros habituais para ver as condições, o tempo estavam muito bom mas devido às chuvadas durante a semana o mar estava muito barrento desde a Foz do Sizandro até à Assenta.
Já escaldado disse logo ao meu pai, «Vamos mas é procurar aguas com melhor cor mais a sul, estou farto de levar barretes com estas condições.», e continuamos em direcção à Ericeira, descemos aos Coxos e meus amigos uma diferença monumental, mar muito bom, sem ponta de barria faziam-me sonhar com uma boa jornada, apenas algum limo solto podia dificultar a pesca.
Sem perder tempo escolho o final da laje onde os surfistas costumam estar como pesqueiro inicial, monto uma cana com fio ,18mm e uma bóia de 7grs pois a maré estava cheia e o mar assim o pedia, faço um bom balde de engodo e salpico as pedras mesmo à minha frente, preparo uns filetes de sardinha para isco, mais uma colherada de engodo e pesca para a agua.
Não podia ter começado melhor, logo no 1º lance um sargo, novo lançamento e mais um bom arranque desta feita uma boa baila e assim continuou com mais algumas capturas.
Com o descer da maré fui obrigado a mudar de poiso, muito por culpa do limo que começou a andar alvorado, fui para os Guiões, após um ajuste na montagem onde substitui apenas a bóia para uma mais leve de 4grs, já que neste pesqueiro se pesca praticamente aos pés não era necessário uma bóia tão pesada.


A festa continuou e ao longo da manhã continuei a tirar mais uns sargos, umas safias e uma ou outra tainha, no final da jornada a lata estava cheia, 25 sargos, uma baila e 6 tainhas, correu muito bem, já tinha saudades de um dia de pesca assim tão agitado.
Depois da pesagem feita e da barriga reconfortada com uma sopinha de feijão e um divinal bacalhau assado na brasa com batata a murro fui surpreendido com uma surpresa para sobremesa, um delicioso bolo de aniversário, feito carinhosamente pelas cozinheiras da casa.

Não estava nada há espera e fiquei muito contente, estes gestos demonstram bem como sou acarinhado por este grupo de amigos que aqui encontrei, que dão valor à pessoa que sou e à ajuda que tenho dado a esta colectividade, nomeadamente à secção da pesca, para eles um agradecimento especial, muito obrigado a todos.
Depois de cantarmos os parabéns, de mordida a vela e pedir um desejo, depois duns copos e brindes (talvez a mais he he he..),  era hora de saber os resultados, com uma boa pesca o 1º lugar não me escapou, totalizei 29060 pontos.

Em 2º lugar ficou o meu adversário mais directo David Forcada, também com uma pesca muito boa de sargos e robalotes totalizou 22280 pontos, a fechar o pódio ficou o Nelson Inácio com 15335 pontos.

Este foi um dia onde tudo correu bem com mais uma vitória, não desvalorizando o resultado o que mais me satisfez realmente, foi ver que tenho verdadeiros amigos que me valorizam muito além da pesca.
Saudações piscatórias e até novas aventuras.  

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Obstáculos complicados

Agora que o mar começa a adivinhar as mudanças de estação, é normal encontramos nas nossas jornadas de pesca alguns obstáculos extra que nos podem dificultar as jornadas.
Os limos são sem duvida um deles, agora que estão maduros basta um pouco de mar para se soltarem e andarem à deriva, atrapalham e muito, pois muitas vezes tapam-nos a isca escondendo-a do peixe, caso se pesque à chumbadinha ou surfcasting amontoam-se na linha fazendo com que a força do mar araste a nossa montagem não a deixando fazer correctamente a sua função.

Apesar de infelizmente já não existirem as quantidades monstruosas de limos de outros tempos, em certas partes da costa ainda se formam alguns amontoados, nestas situações o melhor é procurar aguas sem esta sujidade.
Mas nem tudo é mau, quando o mar acalma faz com que o limo se concentre em certos pontos, sem andar disperso, estas concentrações de limo bem compactas são por norma locais onde o peixe procura abrigo e alimento, nestas condições vale a pena fazer uns lançamentos nas extremidades da mancha de limos, já por varias vezes dei com o peixe nestas condições.
Outro dos obstáculos dos meses que se seguem é o mar barrento, com as chuvadas fortes a darem um ar de sua graça, turvam o mar, seja pelo desaguar no mar de rios ou ribeiras, quer pela agua que sendo em demasia escorre pelas arribas indo parar ao mar.

Este fica acastanhado, se for em demasia afasta o peixe da costa, tal como na situação anterior a melhor solução é procurar aguas com cores mais convidativas, as zonas de praia onde existe mais areia e sem arribas por perto são por norma zonas onde conseguimos melhores condições.
Na zona Oeste sei por experiência própria que com estas condições apanhar algum peixe fica complicado, penso que funcione da mesma maneira noutros pontos do pais salvo raras excepções. 
Sei que a maior parte de vós já sabe como contornar e agir nestas situações, mas fica o conhecimento de causa para os principiantes nestas andanças da pesca. 
Saudações piscatórias e bons lances.

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Ainda não foi desta!!

No passado domingo realizou-se mais um convívio de pesca, desta feita integrado nas Festas Anuais da Bordinheira que contou com meia centena de pescadores para mais um dia de diversão, pesca, copos e aquele convívio salutar que se deseja.
Agora que se aproxima novo ano escolar, foi talvez uma das ultimas oportunidades do júnior mostrar o que sabe e tentar dar uma tareia no avô neste final de época.
Tal como nas ultimas brincadeiras eu fui mero espectador e ajudante nesta sua tarefa, o dia apresentou-se muito bom para a pesca, sem vento, o mar a cair mas ainda com uns enchios, com boa cor(não em todos os pesqueiros).
Como de costume a família Franco foi junta em busca de uns peixes, mais uma vez apostamos na Ursa, principalmente por causa da cor das aguas, por não ter excesso de areia no pesqueiro e porque é um bom spot para o João.
Depois de descer a arriba, descaímos para os caneiros a sul da descida, montei a cana com fio 0,18mm e uma bóia de 7grs, preparei um balde de engodo e uns filetes de sardinha para isco, a poucos metros o meu pai apostou na chumbadinha, a sua pesca de eleição.
Engodado o pesqueiro era hora de começar a labuta e não podia ter começado da melhor maneira, bóia na agua e ao 1º lance peixe ferrado, depois de uma boa luta uma boa tainha na lata, mais meia duzia de lançamentos e mais um peixe ferrado, desta feita um sargo, sempre de olho no avô ia dizendo, «É hoje que ganho ao avô, ele ainda não tem nada ;) ».
Com a maré a descer depressa ficamos sem agua no buraco, encostamos-nos mais ao meu pai que naquela altura estava a tirar o seu 1º peixe uma tainha, logo no lançamento seguinte tira mais um sargo empata o jogo, o júnior ainda tirou uma tainha ficando em vantagem, mas depois ficou a ver o avô a tirar uns bons sargos de rajada, era só lá cair e pimba, uns atrás dos outro.
Com pouca agua no pesqueiro só lhe calhava pequenas sarguetas que foram sendo devolvidas, o peixe graúdo andava mais afastado sem abeirar.
Fulo da vida e farto de ver o avô a tirar peixe quis mudar de sitio, uma atitude que compreendo perfeitamente e que também já tive, principalmente em competição, estar perto de alguém mais experiente e que está sempre a tirar peixe deixa-nos bloqueados e desorientados, sem conseguir reagir e ver onde estamos a falhar, neste caso a falha não era dele pois são pescas diferentes e como o peixe estava mais fora nada havia a fazer senão ir procurar noutro lado onde existissem melhores condições.
Sem grande opção fomos para cima da Ursa, onde faz uns lagos mais fundos, procuramos os sargos mas deles nem sinal, o melhor que lá apareceu foi uma boa baila, já na parte final entraram umas tainhas bem manhosas, foi necessário mudar para uma bóia de 2grs para conseguir tirar algumas.

 Aqui fica uma bela sequência de fotos a trabalhar o peixe como manda a regra.





Sem ter conseguido atingir o objectivo principal, pois a desforra acabou em 13 a 8 favorável ao avô, que além de ter mais peixe tinha 12 de qualidade(11 sargos um robalote) e apenas 1 tainha, ainda assim com 8 peixes estava bem satisfeito e confiante para obter um bom lugar.
Depois da pesagem realizada e classificação feita, seguiu-se um esmerado almoço muito bem regado claro está, que isto da pesca abre bem o apetite como todos sabemos, aqui sim ganhou ao avô, parecia que estava roto o raio do miúdo!!!

Depois da barriga bem aconchegada, decorreu a entrega dos prémios, em 1º lugar com 17360pts ficou o avô Joaquim Franco, confirmando o bom momento de forma que atravessa ganhou também o prémio para o maior nº de exemplares, para ele os meus parabéns.
Em 2º lugar ficou o Hugo Cipriano com 10150pts, e a fechar o pódio o João Fastré com 9700pts, já fora do pódio em 4º lugar, o tal miúdo de apenas 9 anos que me enche de orgulho e satisfação, João Franco com 7870pts.

De salientar ainda a captura de 2 bons sargos quileiros, um dos quais capturado pelo Joaquim Carvalho que conquistou o prémio de maior exemplar com 1,075kgs.

Foi sem duvida um dia agradável entre pescadores amigos, depois da pesca foi festa rija noite dentro com um grade bailarico até altas horas.
Um abraço e bons lances.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...