Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Closed, why??

É oficial, estou de férias(do trabalho ;) da pesca não!!!!!), Torreense que é Torreense vai ao Carnaval de Torres o mais Português de Portugal.






Fica o convite feito a todos, deixem as canas a descansar e venham viver uns dias, ou noites carnavalescas bem divertidas em Torres Vedras, aqui está o link do programa do CARNAVAL de TORRES VEDRAS para consulta.
Um abraço e bons lances.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Sopa da Pedra

Devem-se estar a questionar o porquê deste titulo, normal não?
Um pouco desajustado para um post num blog de pesca, mas faz todo o sentido, pois realizou-se novamente este domingo o convívio de pesca «Sopa da Pedra» no A.C.B Varatojo, é que para além de gostarmos de pescar, esta malta gosta ainda mais de comer e beber.
Como o trabalho tem consumido quase todo o meu tempo, pus em consideração falhar esta brincadeira, para estar com a família, mas à ultima da hora o meu grande amigo Artur, lá me conseguiu fazer mudar de ideias, mas impus-lhe algumas condicionantes, ele seria meu companheiro de jornada e seria dele a responsabilidade de escolher o pesqueiro.
Como a prova seria curta, apenas 4 horas de pesca, das 8 ao meio dia, a ideia era pescar, almoçar e passar a tarde com a família, deixando os amigos e os copos para outra oportunidade, isto que para mim é a melhor parte. 
Porto Chão foi por unanimidade a escolha para a pescaria, desta feita o mar e tempo deram sinal de melhorias, ainda que com mar forte mas as aguas com boa cor, apenas faltou o peixe para ser uma óptima jornada. 
Lá descemos a arriba e rumamos para norte, eu o meu pai e o «Ti Artur», para o pesqueiro do Penedo do Zé Russo, a maré estava praticamente no pico da enchente, a pesca seria feita sempre a vazar, rapidamente montamos o material, eu optei por uma cana de 5mts, um pouco mais comprida que o habitual, porque tinha de pescar longe da agua, uma bóia também mais pesada 7gr, mantendo o fio 0,18mm.

O típico engodo para mares mais agitados, mais grosso e misturado com areia para se aguentar melhor no pesqueiro, uns bons lombos de sardinha para isco e pesca na agua, os primeiros lances fizeram parecer que ia ser um daqueles dias de lata cheia, após tirar 4 sargos(mais alguns devolvidos), uma tainha e outros 2 peixes desferrados, o peixe pura e simplesmente desapareceu com o virar da maré.
Estes são sempre acontecimentos que nos deixam a pensar, mas para onde terá ido o peixe? Se ainda agora estava aqui a monte para onde foi?
Analiso e sigo bem as correntes, para tentar imaginar para onde foi o peixe, pego no balde e vou tentando mais à direita, mais à esquerda mas nada, nisto o Artur consegue safar a grade com uma tainha.



 As gaivotas facilitam a tarefa, dão sinal onde vai parar o engodo, é ai onde andam a comer alguns pedaços que o engodo para, balde numa mão e cana na outra vou até lá, poucos lançamentos depois a bóia afunda, dou a ferragem e o peixe arranca fortemente para dentro, por breves instantes fez-me pensar que era um robalo, mas depois de vir ao cimo da agua vi que era uma grande tainha, depois de uma boa luta lá consegui po-la a seco, mais umas colheradas de engodo, mais uns lances mas pelos vistos andava sozinha.
Volto para o pesqueiro inicial, mas agora com menos agua já deixava pescar melhor, restava pouco tempo de pesca, entre as pedras que começavam agora a aparecer, ferro nova tainha, esta maior que a anterior, deu pouca luta e depressa a encalhei, foi acabar da melhor maneira possível, o meu pai a pescar à chumbadinha nos últimos lançamentos também safou a grade e tirou 2 tainhas.


Arrumado o material e tiradas as fotos da praxe, faltava o mais difícil, subir a arriba até ao carro, eu que ainda sou novo não me custa muito, mas para esta malta bem mais usada que eu já pesa bastante.





 A subida a abriu o apetite, para a tão afamada Sopa da Pedra, da minha parte foram 2 discos bem aviados(GRANDA LATEIRO!!!MAS HÁ MAIS!!), que boa que estava, os meus parabéns ao cozinheiro.
Este foi mais um dia bem passado, mas com pouco peixe, onde a grade foi rainha, após a pesagem e feitas as contas, acabei por alcançar a vitória destacadamente, ainda acumulei os prémios de maior nº de exemplares e de maior exemplar, uma tainha com 1,490kg, em 2 lugar ficou o Joaquim Veríssimo que apanhou um bom robalo e a fechar o pódio o meu pai.
Na hora de receber os prémios como não estava presente, foi o meu pai que me representou, já me esquecia, contou com a ajuda do meu assessor de imprensa César Ribeiro, que estabeleceu uma ligação via telemóvel na hora para umas breves palavras.
Para todos uma boa semana e até nova aventura.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Sombras chinesas, gigantones mas pouco mais

Neste domingo realizou-se a 3ª prova do campeonato de pesca da Bordinheira, depois da 2ª prova deste campeonato prevista para o fim de semana passado ter sido adiada devido ao temporal e mar bastante bravo. 
Neste fim de semana apesar de não estarem reunidas as melhores condições para uma boa jornada resolvemos realizar a prova, o tempo até ajudou, dia solarengo e sem vento, mas o mar, esse continua impraticável, muito bravo, acompanhado de grandes enchios, tão depressa tínhamos muita agua no pesqueiro, como abalava toda deixando as pedras à mostra, para piorar a situação as aguas estavam muito barrentas, fruto das chuvadas constantes dos últimos dias, mais parecia chocolate, por estes motivos esperava uma jornada bastante sofrível.
Chegada a hora de ir para o mar, sem pesqueiro definido a ideia era dar uma volta pela costa desde Cambelas até à Ericeira para procurar aguas com cor minimamente aceitáveis, e onde se vislumbrasse um cantinho com alguma agua, onde o mar parasse e aguentasse minimamente o engodo, depois de percorrer esta costa e ver que a cor castanha dominava a totalidade do oceano, decidi ir até Cambelas mais propriamente para a lage da Lamparoeira, em busca de algum sossego e de pouco engodo no pesqueiro, pois sabia que quase a totalidade dos restantes pescadores se concentrariam em 2 ou pesqueiros na Ericeira.
Desanimado desço a arriba na companhia do meu pai, vou então para sul, destino a laje da Lamparoeira, depois de montar a cana com uma bóia de 5grs e com fio 0,18mm, faço o típico balde de engodo, preparo uns filetes de sardinha e dava inicio à difícil tarefa, safar a grade!!!

Com pouca agua no pesqueiro lá fui tentando mentalizar-me que seria possível entrar ali algum peixe, mesmo estando a pescar curtinho, sensivelmente 2 palmos do anzol para a bóia, volta e meia enrrochava com as escoas.
A coisa estava complicada mesmo, após 2 horas de pesca sem sentir nada, nem um único toque a desiscar, eu estava mais que desmoralizado.
A maré já enchia, nisto o meu pai que também estava a pescar à bóia, tira um sargote que sem peso foi devolvido, a saída deste peixe mesmo que pequeno foi a motivação extra para voltar a tentar com fé.
Agora com um pouco mais de agua lá íamos insistindo no engodo esperando por algum peixe que andasse por ali perdido, mas nada de peixe, apenas a minha sombra e a sombra do gigantone continuavam a insistir em pescar.

A força do mar empurrava-me agora para terra, queimava agora os últimos cartuchos, engodava agora em cima de um lajedo com uma pequena poça, quando de repente vejo uma tainha a passar aos meus pés atrás dos pequenos pedaços de engodo , os meus olhos quase que saltaram, lanço o mais rapidamente possível, mas nada, seria uma miragem ou alucinação, possivelmente era mais uma sombra chinesa!!!! 
Continuo a tentar, podia ser que voltasse a passar por ali mais alguma, e passados alguns minutos a bóia afunda ligeiramente, dou a ferragem e lá estava ela na ponta da linha, a fazer a cana vergar, com muito jeito lá encalhei o peixe, que alegria, até parece que se tratava de um grande exemplar, mas não era apenas uma tainha com 600grs, mas que já no final da jornada safava o dia.
Tiro o peixe do anzol e coloco-o dentro da lata, nova iscada e novos lançamentos, pouco depois nova tainha a investir, trabalho o peixe e ela cá fora, se uma era bom 2 era óptimo!!!! 

Até ao final não deu mais nada, mas estava satisfeito com o fraco resultado, 2 tainhas com 1,290grs, nesta prova apenas 5 pescadores em 40 conseguiram apanhar peixe.
Após a pesagem a classificação ficou assim organizada, em 1º lugar ficou o Miguel Serra que mesmo doente foi à luta e  apanhou 2 tainhas também, um pouco maiores que as minhas, com 1,410grs totalizou 2820 pontos, para ele os meus parabéns. 
Eu fiquei em 2º lugar com 2580 pontos, e a fechar o pódio ficou o Nelson Inácio com uma tainha fez 1820 pontos, como foram apenas 5 os que capturaram peixe vou divulgar os restantes vencedores, em 4º lugar ficou o David Forcada com 1 tainha somou 1100 pontos, em 5º ficou Alfredo Frango com um bodião somou 155 pontos, os restantes trouxeram uma grade.
Apesar de ser um fraco dia de pesca, o convívio e o almoço compensaram e bem as difíceis condições que temos enfrentado, mas para muitos pescadores está a ser complicado digerirem 2 grades seguidas, mas com recurso a analgésicos(cerveja e vinho), e substancias psicotropicas e alucinogénas, alem de uma boa dose XXX, lá vão acalmando os nervos he he he....

Vamos esperar que o mar melhore para que possamos desfrutar na plenitude este nosso desporto, e caso não deixe cá vamos sonhando com dias melhores e com fartura de peixe.     



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Que ondas são estas?

As ondas que têm assolado a costa portuguesa não são propriamente altas, são sobretudo compridas. Resultam de uma conjugação entre disparidades térmicas, ventos fortes e empilhamento de água junto à terra.
 Fotografia de Orlando Almeida/Global Imagens

Luís Quaresma Santos, oceanógrafo do Instituto Hidrográfico e tenente da Marinha, explica o fenómeno por detrás das imagens impressionantes que todos vimos nas últimas semanas.
Vejam a explicação de tal fenómeno dada nesta entrevista ao Diário de Noticias.


terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Não consigo tirar a licença!!!

Deixo aqui em 1ª mão a contribuição do seguidor Carlos Catalão para resolver um problema com que se deparou estes dias ao tirar a licença pelo Multibanco.
«Tive problemas ao tirar a licença de pesca apeada ou neste caso qualquer outra, passo a explicar, o sistema de MB neste momento não permite que se tire licenças de pesca seja ela qual for, porque houve uma alteração a lei existente, e uma nova portaria saiu(Portaria nº 14/2014 de 23 de janeiro).
A pesca apeada e embarcada agora passa a ser toda nacional a distrital acabou e mais algumas alterações conforme explicação dada pela Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, vou deixar aqui o link DGRM para poderem consultar, e o telefone da Linha Azul: 21 3035703 para esclarecer duvidas.
Pela explicação dada não têm previsão para quando o sistema de MB poderá entrar em funcionamento por isso aconselharam-me a pedir a licença via mail se forem ao link irão ter dois anexo que estão escritos a azul e só carregar ai que irão ter toda a explicação necessária para pedir a vossa licença via mail, espero ter ajudado.»
Desde já agradeço ao seguidor o esclarecimento desta situação e estou a divulga-lo para quem pense em tirar licença nestes dias.
Um abraço a todos e bons lances.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Praia de São Lourenço

Caros leitores pelas previsões está visto que vai ser mais um fim de semana sem ir ao mar, devido ao mau tempo e mar impraticável, por um lado é mau pois não consigo pescar, mas vendo o lado positivo é tipo um defeso natural, à já 2 meses que não deixa pescar. 
Assim aproveito para divulgar mais um bom spot de pesca na zona Oeste, e matar saudades de mar calmo,  azul e com dias de sol.
A praia de São Lourenço localiza-se na freguesia de Santo Isidoro concelho de Mafra, estando situada entre as localidades de Ribamar e São Lourenço, praia situada entre arribas, muito bonita e com areia grossa, bastante espaçosa e uma das mais frequentadas da região.

No que toca a pesca, está longe de ser uma das minhas eleitas, mas não deixa de ser um bom pesqueiro, onde costumo fazer algumas visitas piscatórias.
Este é um pesqueiro misto em todos os aspectos, pois tem fundo de pedra e areia, e tem pesqueiros com pouca altura de agua e a poucos metros de distancia pesqueiros fundos, dando a possibilidade para variar na modalidade de pesca, o areal para o surfcasting, spinning, a parte rochosa do lado sul bem como do lado norte para bóia/pião , chumbadinha, ao fundo, buldo e spinning.
Explorando um pouco mais pormenorizadamente esta praia, do lado norte do areal temos um lajão muito bom onde podemos pescar acompanhando a enchente da maré até à praia mar acabando no pesqueiro da «Pedra Cimentada», mais a norte uma zona pouco pescada devido ao difícil acesso oferece um grade leque de pesqueiros para explorar, mas apenas nos dias de mar mais calmo(1/1,5mts de vaga).






Do lado sul encontra-se o Forte de São Lourenço, datado do século XVI, actualmente residência de férias da guarda-fiscal, esta zona oferece uma série de pesqueiros mais fundos, estes pesqueiros são bastante bons quando o vento sopra de sul com força porque ficamos abrigados pela arriba.










No que toca a peixes que podemos capturar nesta praia o leque é variado, sendo os sargo, as bailas e robalos os mais procurados, no verão com bom tempo e mar manso, os safios bem como carapaus e cavalas são visitantes assíduos. 
Com estas dicas resta esperar que o mar dê tréguas para podermos lá realizar uma jornada.
Um abraço a todos e bons lances. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...