Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Vamos lá organizar-nos!!!

Boas noites pessoal da pesca de alta competição ;)
Com o ano 2015 a dar as ultimas, queria desejar a todos um grande 2016, com tudo do melhor para todos, em especial grandes pescarias com muitos e bons exemplares.


É também já a pensar no novo ano competitivo que se avizinha, que vos escrevo esta mensagem, como vice presidente da secção de pesca da A.D.R.C Bordinheira.
Especialmente para os clubes, mas não só, vamos tentar organizar-nos da melhor maneira, criando uma espécie de calendário de concursos, para evitar sobreposições de provas, ou convívios no mesmo dia que não beneficia ninguém, serve também para os pescadores poderem orientar a vida familiar, de modo a poderem estar presentes em todos ;)
Assim podiam deixar aqui em comentário as datas que as colectividades e clubes vão ou pensam realizar provas, que eu vou afixando na barra lateral direita do blog.
Para dar o exemplo, queria dizer a principio o nosso grande convívio de pesca desportiva apeada, se realizará no dia 15 de Maio.
Grande abraço e um bom 2016.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Júnior On The Action

Boas caros seguidores, com saudades de um relato?
Calculo que sim!!!
É compreensível, mas a disponibilidade para os realizar tem sido praticamente nula, em atraso já tenho meia dúzia de jornadas, que tentarei relatar o mais breve possível.
Vou agora relatar a pescaria realizada no dia 15 de Novembro, convívio de pesca A.C.R Casais de São Lourenço, onde participara 75 pescadores.
Como já vem sendo tradição, neste convívio não pesco, dou total prioridade ao meu filho e assim foi novamente.
A jornada foi planeada e pensada ao pormenor pelo petiz, o magano já começa a ter voto na matéria, o que é bom sinal, dá para ver que já tem personalidade piscatória, com motivação, pensa e estuda a sua jornada detalhadamente.
O objectivo principal era dar novamente tareia no avô, a disputa foi tão acesa, que escondeu a sua estratégia do avô, obrigando-me a levar outro carro de modo a ficar longe do seu principal adversário, macaquice he he he.
Depois da concentração e convívio matinal na sede do A.C.R. Casais São Lourenço, lá partimos para o mar, o Cavalinho foi o local eleito pelo petiz para sua jornada, mas ironicamente não foi o único a pensar no mesmo spot, além dele mais uns quantos colegas tiveram a mesma ideia, entre os quais o seu principal adversário(avô), ironia do destino he he he.
Estávamos a tirar as tralhas do carro, quando ele vê o avô a chegar, muito intrigado e algo perturbado pergunta:
 -OH, nãooooooo. Porque é que o avô está aqui também???
Esta foi mais uma lição bastante educativa e importante na aprendizagem piscatória, quer seja em competição, bem como fora dela , perceber que apesar de o mar ser muito grande é de todos, as escolhas de pesqueiros muitas vezes são coincidentes e temos de partilhar pesqueiros com muitos mais pescadores, uma coisa que muita gente não sabe fazer, ou não quer fazer, chama-se a isto saber estar.
Lá continuamos os nossos caminhos, descemos em simultâneo, mas acabamos por ir para locais diferentes.
Preparamos o material, o mar tinha um toque valente, volta não volta, vinha um enchio daqueles bem fortes, mas como a pescaria ia ser feita toda praticamente de maré vazia, dava para pescar razoavelmente nalguns buracos.
Para esta jornada preparamos 2 canas, uma com bóia de 7grs e fio 0,20mm, mais direccionada para pescar salemas, pois tinha ouvido que elas já andavam por ai, outra com 0,16mm para as tainhas e sargos.
Depois de engodar o pesqueiro, chegava a hora de iniciar a jornada, a primeira aposta foi tentar umas salemas, depois de apanhar uns limos para iscar, um dos manjares preferidos destes peixes, lá tentamos a nossa sorte.
Limos - Um dos iscos mais apreciados pelas salemas


Após alguns lançamentos, sem resultados, mudamos de estratégia, já que os nossos companheiros de pesqueiro, iam tirando uma ou outra tainha e sargote, pegamos na outra cana e passamos a iscar com sardinha.


Apesar da mudança, os nossos resultados continuavam a ser nulos, apenas capturamos alguns sargotes sem medida, que foram sendo devolvidos.
Após 2 horas e meia de pesca, sem nada na lata, aliado a incógnita nos resultados do avô, levavam-no ao desanimo.
Já com a maré a virar, com a aposta na sardinha a não resultar, voltamos a iscar com limo, lançamento feito e pouco depois bóia ao fundo, ferragem feita, peixe bastante lutador a testar a nova Barros Maestro Mullet, já sabia que era uma salema, depois de trabalhar o peixe com calma, lá o conseguiu encalhar.



O animo virou logo, quando em novo lançamento ferra outra e consegue tira-la.
Ao seu lado estava o César, exímio pescador de salemas, que já não estava a gostar da brincadeira, pois não conseguia ferrar nenhuma, para piorar a situação o João ainda consegue apanhar mais uma e ele a vê-las passar he he he.
Já com 3 a zero, o César conseguiu recuperar a desvantagem e apanhou 3 salemas praticamente seguidas, ficando em pé de igualdade.



O mar começava a sacudir a malta do pesqueiro, mas ainda proporcionando mais um momento caricato, o César ferra mais uma, trabalha o peixe, a pesca embrulha-se com a do Júnior, mas continua a trabalhar o peixe até o encalhar, com o peixe a seco mas agarrado ao anzol, primeiro tentam desenlaçar as pescas, em vez de desferrar o peixe e por no saco, desembrulhando só depois, nisto veio uma vaga de mar, a linha partiu e lá foi o peixe.
Em jeito de brincadeira, dizia o João que tinha embrulhado as pescas propositadamente, só para não desempatar, foi a risada geral, o certo é que não saiu mais nenhuma salema após isso.
Já sem grandes condições para continuar a pescar ali, mas ainda com mais uma hora para pescar, fomos procurar algum cantinho mais a norte, mesmo com poucas condições nos Guiões, ainda conseguiu apanhar uma boa tainha, um sargote e mesmo em cima da hora, tirou outro sargo mesmo debaixo das barbas do Artur Silva, foi um final sorridente.

A pesca estava concluída, na lata uma pesca razoável, 3 salemas, 1 tainha e 2 sargos, seria o suficiente para cumprir o seu objectivo?

Depois das fotos da praxe, fomos os 3 caminhando para o carro, debatendo sobre os resultados piscatórios.

 A idade e os ossos não perdoam, mas com a ajuda de um pau consegue-se ir a todo o lado, he he he



O avô esperava pelo seu discípulo, assim que chegamos ao pé dele, foi logo codrilhar o que o avô tinha na lata.
 -Só isso, já foste!!!
Uma pesca muito fraquinho dizia ele, apenas 2 sargotes, mais uma vez conseguiu atingir o seu objectivo.
Após a pesagem do pescado, onde fiz questão de ajudar, seguiu-se o almoço convívio com uma bela feijoada, a habitual animação e camaradagem entre todos os participantes não faltou como é apanágio.




A vitória neste convívio coube ao Nelson Inácio com 194120pts, para ele os merecidos parabéns.

Em 2º lugar ficou o José Dias com 18440pts, a fechar o pódio ficou o Sérgio Serra com 14670pts.

O João Franco ficou num honroso 13º lugar com 6150pts, bem distante do avô que acabou em 40º com 1220pts.
Resta-me dar os parabéns à A.C.R. Casais São Lourenço, pela organização de mais um bom convívio de pesca, para o ano voltamos novamente.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Amigos e seguidores

Desde já queria pedir desculpa aos amigos e seguidores deste meu espaço de partilha, pela ausência tão prolongada.
Quero dizer que continuarei a publicar o mais breve as aventuras que se vão realizar, assim como as que já se realizaram.
Como estamos a entrar numa quadra festiva, relembro que não existem limites para os nossos sonhos, basta acreditar. 
Feliz Natal e um grande 2016, repleto de coisas boas!!! 

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Dia do mar

O Dia Nacional do Mar celebra-se a 16 de novembro.
Neste dia decorrem várias iniciativas em Portugal com vista a mostrar a importância do mar para a economia e desenvolvimento nacional.
O mar assume uma importância estratégica para Portugal, sendo um setor vital para a economia portuguesa e para o produto interno bruto (PIB).
De acordo com dados divulgados em 2013, o mar português dá trabalho a 100 mil pessoas e representa uma riqueza anual de 8 mil milhões de euros.
A celebração do Dia Nacional do Mar teve origem na "Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar", que entrou em vigor a 16 de Novembro de 1994. Portugal ratificou o documento em 1997.

Portugal é um país fortemente ligado ao mar, ficando marcado para a posterioridade como o país dos Descobrimentos marítimos.
Neste dia pode visitar Belém e o Museu da Marinha, por exemplo, onde se realizam iniciativas especiais ligadas à data.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Sargo de Prata

Este foi mais um fim de semana muito preenchido no que toca a pescarias, no sábado 24 de Outubro o concurso do Sargo de Prata, no dia seguinte nova competição, desta feita a 7ª prova do campeonato da Bordinheira.
Depois não queres ouvir a Maria???Tem razão sim senhor, mas o que fazer???
Bom mas passemos então ao relato da 1ª pescaria.
Após um ano de interregno, o clube Millennium BCP realizou o tão aguardado XI Sargo de Prata.
Após ter participado na ultima edição e ter vencido, a minha participação era quase obrigatória, nem pensar em fazer uma desfeita destas ao meu grande amigo Artur Silva.
A prova como habitualmente foi realizada em Peniche, bastante participada, na sua maioria por pescadores dos vários grupos bancários e alguns convidados, como foi o meu caso, esta é uma prova onde os sargos são a espécie alvo.
Com o objectivo da revalidação do titulo em mente, lá fui eu com o meu pai até Peniche, reencontrar-me com esta malta amiga.
Antes da habitual concentração, uma olhadela em 2 ou 3 cantinhos, as condições estavam reunidas, para um dia de pesca com boas capturas, mar mexido, boa cor da agua, bem oxigenado, mesmo como os sargos gostam.
Depois de analisados os pesqueiros, subsistiam algumas divergências na escolha do pesqueiro com o meu parceiro, eu apostava na Papôa, ele nuns lajões à esquerda da «Boneca».
E assim foi, ele para um lado, eu para outro, aproveitei a boleia do colega João Pedro Alfaro Cardoso, com quem tive grande prazer de partilhar esta aventura.
No decorrer do sorteio, acabamos por ser os últimos 3 a sair, ficamos à espera até ao final, o saco já estava vazio e nós sem sermos chamados.
Já não restava vivalma de pescador, num ápice estávamos só nós.
- Mas onde estão os nossos números??? (pergunto eu)
- Colocaram no saco a vossa identificação?? (disse o organizador)
- Hààà..... era preciso lá por a etiqueta???
Foi a risada geral, mas que grandes tótós he he he......
Mas que melhor maneira de começar a jornada, finalmente lá arrancamos para os pesqueiros, logicamente, o spot que tinha em mente, já estava ocupado, logo com um adversário de peso, o Miguel do Banif.


Acabamos por apostar no «Barreiro Baixo», toca de prepara o engodo, depois de montar as minhas canas, dei uma ajuda ao João Cardoso, pescador experiente na pesca com bóia de pião, mas a dar os primeiros passos na pesca com bóia mais ligeira.
Depois de lhe ensinar como iscar com sardinha, e fazer uns ajustes na sua montagem, chegava a hora de dar inicio à faina.

Depois de engodarmos cá atrás nos seixos, saltamos para uma pedra, o mais dentro possível, eu como habitualmente apostei numa bóia de 3grs, com fio 0,165mm.
Assim que laçamos, o peixe deu logo sinal, os sargotes andavam por ali, bem manhosos e a comer mal, ainda assim fui tirando alguns e desferrando outros tantos, até 2 viúvas eu tirei, não sei se é normal por estas bandas, já tinha apanhado algumas na Costa Vicentina, mas por aqui não.
O João lá ia tentando ferrar algum peixe, mas a tarefa estava complicada, até parece fácil, dizia ele!!!
O mar foi enchendo e depressa correu connosco cá para trás, o peixe começou a falhar, mas ainda assim lá foram aparecendo um ou outro sargote.
Era hora de o procurar noutro lado, passamos para a esquerda do Barreiro Baixo, na outra baía de seixos, após engodar, tranco 2 bons peixes, que acabaram por se desferrar, mudo o anzol para um um pouco maior, e lá consigo tirar um bom sargo e uma tainha.
Após insistir, sem ter mais resultados, passo novamente para a direita da pedra, esta é chamada a pesca ping pong, ora cá ora lá, sempre em andamento.
Apanho algumas bogas e mais um sargote, o peixe volta a falhar, o João faz-me sinal para ir para ao pé dele que estava a sentir peixe, vou até lá e tiro mais um bom sargo e 2 salemas.
O peixe falha novamente, e volto ao pesqueiro inicial onde terminei a pesca, tirando mais umas tainhas e um robalote.
A pesca chegava ao final, com uns peixes na lata saia satisfeito, apesar de sentir que podia ter feito melhor, já o meu colega João não saiu tão satisfeito quanto eu, mas ainda assim conseguiu safar a grade com um sargo.
Dirigimos-nos para o local da entrega e pesagem do peixe, junto da antiga  e abandonada fabrica de conservas, situada à beira da marginal. A malta ia chegando a conta gotas e a pesagem ia sendo realizada por ordem de chegada.
O meu pai já lá estava na fila, também safou a pesca com uns sargos, tirados à chumbadinha.


Até à altura em que o meu peixe foi pesado, estava na liderança, mas por pouco tempo, entretanto apareceram 2 boas pescas de sargos que me destronaram.
Após a realização das pesagens, vinha a parte que todos mais ansiamos, os comes e bebes, no restaurante «O Braga».



Com a habitual camaradagem e amizade que se quer, a tarde passou bem rápido, mas ainda faltava a entrega dos prémios.
Vou começar pelo prémio do maior exemplar de sargo, fazendo jus ao nome desta prova, foi ganho pelo Fernando Antão, com um sarguinho com 1,240kg.
A vitória na geral coube ao João Feira do G.D. Santander Totta, um homem já habituado a dar cartas na pesca, seja de bóia, seja surfcastting, entre outras modalidades, um pescador polivalente, totalizou 26110pts, para ele os meus parabéns.
Em 2º lugar ficou o António Margarido também do G.D. Santander Totta, com 25200pts.
A fechar o pódio fiquei eu, representando o BPI, com 24300pts, não consegui revalidar o titulo, mas foi por muito pouco.


Por equipas o  G.D. Santander Totta, foi o grande vencedor.
Queria ainda agradecer a oportunidade de poder participar neste convívio e dar os parabéns aos responsáveis pela organização de mais um excelente convívio.

Após mais um grande dia de pesca competitiva, boas amizades e muito convívio, chegava a hora de rumar a casa, lavar a farda e preparar novamente todo o material, pois no dia seguinte era a contar para o campeonato, mas este relato fica para a próxima postagem.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...