Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

domingo, 31 de março de 2013

Mantendo a tradição

Mais um ano, mais um grande convívio dos amigos da pesca na Bordinheira, onde vamos mantendo a tradição e  na ementa a tradicional matança de porco, tão típica da região Saloia.
Manda a regra que no dia anterior se proceda à tradicional matança dos porcos com ajuda do pessoal amigo, para matar, limpar e claro está para comer e beber uns canecos.


Depois de tudo a postos, esperavam-se muitos amigos para um dia de grande convívio,  mas um mau dia de pesca, muito complicado, com o mar grande, vagas enormes e perigosos enchios.
Apesar das condições extremas compareceram cerca de 120 bravos pescadores, eu como tinha prometido ao meu filho que se as notas fossem boas ele ia, tive de cumprir a promessa, mesmo com as péssimas condições, e verificar que ele já revelas algumas qualidades para ser um pescador, um pouco de loucura e teimosia e acima de tudo muita vontade de ir pescar.
Apesar de todo o seu esforço, veio de mãos a abanar, como a maior parte dos pescadores, onde apenas 19, conseguiram apanhar peixe.









Depois do trabalho feito, esperava-nos um grande almoço, com a tão conhecida cachola(papas de serrabulho), acompanhada das cagarraças, o porco no espeto e para terminar alguma variedade de sobremesas.






No 1º lugar da classificação ficou o colega António Malaquias, que apanhou 4 tainhas, uma salema e um sargo, em 2º ficou o João Carvalho que apanhou 7 peixes, o maior numero de exemplares, e a fechar o pódio ficou Sergio Reis, o maior exemplar foi uma tainha com 1140.

Como se esperava foi mais um grande dia entre muitos e bons amigos, espero que todos se tenham divertido, pois a finalidade era mesmo essa.

sábado, 23 de março de 2013

Sem comentários!!!


Como se fosse verdade, claro que os pescadores não mentem!!!
Pelo menos eu não!!

terça-feira, 19 de março de 2013

A saga continua...

Depois de o mar acalmar, aproveitei o ultimo dia de férias para ir ao mar, como não iria ter a possibilidade de ir pescar no fim de semana, tinha mesmo de ser na sexta feira.
A ideia era ir mandar umas amostras, mesmo não podendo ir nas melhores horas para spinning, já que não tinha engodo nem isca a jeito para pescar à bóia, , mas o importante era mesmo ir ao mar.
Nisto recebo uma mensagem do Hélder a convidar-me para uma pescaria no fim de semana, ligo-lhe e digo que vou arrancar para a pesca, como ele também estava disponível para ir e tinha engodo e isca, alteramos os planos e acabei por ir com ele pescar à bóia.
Fomos testar novos pesqueiros, e acabamos por ir pescar nas Furnas na Ericeira, por trás do restaurante Furnas.

 Como mar estava calmo, até demais, com as águas abertas e pouco oxigenadas, procuramos aguas mais fundas com bastante pedra onde pudesse andar alguns sargos a mariscar.
Engodamos o pesqueiro e depressa o peixe entrou no pesqueiro, era o costume, salemas e mais salemas, uma ou outra tainha e sargos nada, a não ser umas miniaturas.





Como nem só de peixe vive o homem, e sem grande história para contar, foi mais um dia sem peixe de jeito, mas onde os objectivos que eram maioritariamente espairecer e desabafar com um bom amigo, alguns pensamentos e problemas que por vezes nos atormentam, e assim ficaram todos lá no mar, bem longe da mente.
O dia arrefeceu e levantou vento demos por terminada a pescaria, em que dos peixes que apanhei apenas aproveitei 3 bodiões para uma caldeirada.
Ficamos a aguardar dias melhores, quem sabe se agora com a mudança de equinócio, o peixe encoste, vamos aguardar novas pescarias para confirmar.

domingo, 17 de março de 2013

Um dia para descomprimir

Com três dias de férias para gozar, aproveitei que o tempo deu uma quebra e fui descomprimir e desanuviar a cabeça, que bem precisa pois a vida não está fácil.
Na quarta feira como não tinha carro, aproveitei para dar uma volta de bicicleta pela costa Oeste e ver o mar, além de espairecer, ver o mar, fiz algum exercício físico pois percorri cerca de 60kms, partilho  aqui algumas fotos que tirei.






Algumas plantas típicas da orla costeira Oeste, os chorões e armerias maritimas, que dão um ar primaveril à paisagem.


Matar a sede na nascente da água do Seixo, mesmo junto ao mar, tem outro sabor.





Zona de beleza ímpar, não só ideal para a pesca como para outras actividades de lazer como as caminhadas e andar de bicicleta.




Apesar das condições para a pesca não serem as melhores, em Santa Cruz alguns pescadores de surfcasting tentavam apanhar algum robalo, mas sem sucesso.




Já na praia da Foz do Sizandro as fotos mostram bem o porquê das aguas estarem bastante barrentas e sujas, são montes e montes de canas e lixo que a força do rio trouxe para o mar.
Com estas condições resta-me esperar por dias com melhores condições, mas foi um bom dia para descomprimir e espairecer bem perto do mar.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Convite renovado


Dia 30 deste mês realiza-se na Sede da Bordinheira mais um convívio de pesca para todos os amantes  e amigos deste desporto que queiram participar, para terem uma ideia o ano passado foi assim (http://pescadecana.blogspot.pt/2012/04/mais-um-grande-convivio.html).

O programa será o seguinte:
7 horas - concentração na sede da Bordinheira 
7horas e 30 minutos - partida para os pesqueiros
8 horas - inicio da pesca
12 horas e 30 minutos - final da pesca
1 hora e 15 minutos entrega do pescado(no local do sorteio)

Segue-se  depois o almoço convívio com serrabulho e porco no espeto, vinho ou sumos, não faltará a sobremesa.

Depois da classificação será feita a entrega dos prémios.
O valor da inscrição são 10 euros, quem quiser participar poderá inscrever-se na colectividade, ou deixar aqui no blog os nomes.
Espera-se um sábado muito bem passado, com um ambiente de camaradagem excelente numa terra que sabe receber muito bem quem quiser aparecer.
O convite está feito, venham divertir-se e passar um dia diferente.  

domingo, 10 de março de 2013

Praia do Matadouro (Ericeira)


Aproveitando o trabalho realizado para a revista do Mundo da Pesca e também a falta de condições para pescar, publico mais um bom pesqueiro da zona Oeste.
Este é mais um bom pesqueiro para spinning, chumbadinha e de bóia para quem gosta de pescar com pouca altura de água. 



Para uma boa jornada aqui o mar ideal deverá ter uma ondulação nunca superior a 2 metros e com períodos que não deverão ser superiores ao valor 10 pois pescamos praticamente ao nível da água, e com valores superiores torna-se inseguro pois cria enchios. É no inverno e outono a altura mais indicada para se realizar lá uma pescaria, é que devido a pouca altura de água do pesqueiro é colmatada com a cor das águas um pouco mais tapadas. Com estas boas condições resta-nos ter em conta o vento que deverá ser fraco ou mesmo nulo de preferência, pois este pesqueiro está desprovido de qualquer abrigo natural, e caso haja vento que seja do quadrante sul ou sudoeste pois ajuda a aguentar o engodo e permite trabalhar melhor a pesca. Os ventos de Norte ou do quadrante Noroeste são um grande entrave para este pesqueiro pois alem de dificultar a pesca faz com que a ondulação que já é tendencialmente de Norte ganhe ainda mais corrente nesse mesmo sentido, abalando com o engodo e pondo o peixe a comer longe do pesqueiro.
Este é mais um pesqueiro para quem gosta de pesca ligeira em águas baixas e com os pés sempre de molho, é essencialmente composto por lajes com alguns bons caneiros.

 Bom pesqueiro de maré vazia onde podemos começar a jornada pescando num caneiro logo a 50 metros à esquerda da descida, e depois de passarmos um pequeno ribeiro que desagua ali próximo. É com marés grandes, de lua nova ou lua cheia que melhor melhores resultados dão, pescamos na ponta dessa laje de costas para sul e conforme a maré vai subindo acompanhamos a maré até estarmos na praia.
Ainda temos outro bom pesqueiro denominado de «Cano de Inox», a aproximadamente 200 metros a norte da descida, é mesmo um cano de inox que serve para puxar água do mar para os viveiros de marisco, pousamos ai o material, este é também um pesqueiro para toda a maré, mais indicado para as marés com luas de quarto crescente ou minguante, pescamos na ponta da laje virados para norte e vamos recuando com a enchente.


Em ambos os pesqueiros podemos apanhar bons sargos, robalos, e ainda algumas tainhas e salemas, que apesar de menos nobres alegram e muito as jornadas de qualquer pescador de bóia. 
Para estes pesqueiros o material convém ser todo ligeiro para conseguirmos enganar e ferrar mais fácil e rapidamente os peixes, canas curtas entre 3,90 a 4,5 metros de baixa acção e por isso de ferragem rápida, são as mais indicadas, bóias entre as 3 e 6 gramas e os fios não devem ter diâmetros superiores a 0,20mm sendo os 0,16mm mais indicados,  devem ser de boa qualidade, apesar de não termos necessidade de levantar peixe, podemos ter a sorte de engatar aquele robalo, sem esquecer de uns bons botins ou fato de neoprene para maior conforto pois pescamos praticamente ao nível da água. Nestes pesqueiros é essencial engodar, no mínimo 5kg de sardinha para uma jornada de pesca, como iscos o camarão, carapau, cavala e claro que no topo das preferências a sardinha são os fundamentais para uma boa jornada. 
Agora é ir até lá para mais uma jornada de pesca. 

quarta-feira, 6 de março de 2013

Infelizmente estamos assim!!!

Enquanto uns trabalham, os outros roubam, assim  também eu pescava muitos!!!
Já não é de agora, mas ultimamente nota-se mais que este tipo de pesca tem-se intensificado, é também conhecida pela pesca tipo arrastão, por onde passa leva tudo, na maior parte das vezes sem olhar a meios para atingir fins, de uma minoria que se encheu à grande e à Francesa(neste caso à Portuguesa).


Não sei quando este tipo de pesca vai parar!!!!
Mas a continuar vai dar cabo de tudo.


Para todos os que fazem este tipo de pesca, envio esta foto directamente do museu da cerâmica das Caldas da Rainha, a acompanhar o típico Zé Povinho(Rafael Bordalo Pinheiro).

segunda-feira, 4 de março de 2013

Um dia de pesca pelo Gonçalo

Este foi um domingo bastante diferente no que toca a pesca, pois realizou-se em Peniche um concurso de pesca para angariar fundos para o pequeno Gonçalo(vamos continuar ajudar!!!!).
No que toca a pesca de competição, fui um dia para a descontracção em que as classificações não eram importantes, mas sim  participar e contribuir para que os objectivos fossem alcançados.
Num domingo primaveril e de mar manso, responderam ao apelo mais de uma centena de pescadores, e   muitos que pagaram a inscrição e não vieram, esta atitude é de louvar, e demonstra bem que nesta comunidade de pescadores além da competição impera o espírito de entreajuda e de grande amizade.
Apesar de ser um convívio a brincar, todos deram o máximo para alcançar uma boa classificação, eu não fui excepção e fui tentar apanhar uns sargos penicheiros.
Fui pescar para a Papôa, mais propriamente para o pesqueiro das escadas de ferro(inox), na companhia do Artur e do meu pai.


Como o mar era manso procurei aguas mais fundas, com bastante pedra, onde fizesse um pouco de feição, e alguma espumada, na intenção de apanhar uns sargos, mas tal como na minha zona os sargos andam arredios, e foram as salemas a darem animação a mais esta jornada.
Monto uma cana com fio 0,165mm, pois as aguas eram abertas, uma bóia de 3grs, e uma cana ligeira, logo no inicio vi que não estava preparado para este tipo de pesqueiros, em que tinha necessidade de levantar todos os peixes e não levei camaroeiro, obrigando-me a um esforço extra para tentar encalhar os peixes e perdendo muitas salemas ao içar.
No final da pescaria tinha na lata 15 salemas, 2 tainhas, 4 sargos e um bodião, acabei por ficar em 23º lugar com 14400 pontos, foi um dia muito agradável de pesca em boa companhia, onde tive a oportunidade de conhecer um novo pesqueiro, que para os sargos parece ser muito bom.

Depois de realizada a pesagem em que as salemas e tainhas foram os peixes mais capturados, segui-se o convívio com uma grande e apetitosa almoçarada, nas instalações da C.M. de Peniche.
Na classificação geral o 1º lugar coube ao Victor Migueis com 49 peixes, o maior exemplar da prova foi uma tainha com 2,050kgs, capturada pelo Guilherme Serrano, e o maior nº de exemplares coube ao Nelson Inácio com 66 exemplares.

Para mim foi um dia de emoções fortes, no que toca a sentimentos, em que sai de Peniche muito satisfeito, pois foi um dia onde a palavra solidariedade se pode aplicar na sua plenitude, onde todos se uniram e colaboraram por uma grande causa.

Assim só me restar dar força para que tudo corra pelo melhor ao pequeno Gonçalo, e que tudo o que os pais dele mas desejam se concretize.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...