Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

sexta-feira, 31 de março de 2017

Esteve perto, mas não chegou

Boas caros amigos e seguidores com o tempo a ser curto para pesca ainda assim lá vou andando, praticamente só nos convívios de pesca.
No passado fim de semana participei no convívio de pesca do Centro Social do Pessoal da Câmara Municipal de Peniche, o tempo agreste e a chuva não colaboraram e afugentando alguns pescadores mais receosos.
Ainda assim compareceram mais de uma centena de pescadores que tal como eu estavam com saudades da competição e da malta amiga.
Depois da concentração matinal dá fomos todos à procura do cantinho ideal, eu fui com o meu pai e não sendo grande fã de pesqueiros altos e fundos, apostei em Porto Batel, pois é mais a minha praia, muitos caneiros e lajedos.
Como de costume, apesar de algum vento apostei numa pesca ligeira, com bóia de 3grs e foi 0,165mm, o habitual engodo de sardinha e uns lombinhos de sardinha para isco.
No inicio da prova tentei procurar as salemas num caneiro mais fundo, mas cedo deu para ver que não andavam por lá, então ajustei a bóia e tentei dar com alguns sargos, mas também pareciam não querer nada comigo, depois de ter uns toques de tainhas a levantar a isca, encurtei a altura da bóia e lá saquei algumas.
Não contente com a quantidade de tainhas no pesqueiro e tendo em mente a procura de sargos, mudei de pesqueiro, nesta altura a chuva começava a cai copiosamente.
Com a maré a encher pego no balde de engodo e vou à procura de um cantinho, encontrei um que me despertou curiosidade mesmo sem grande aspecto e apesar da pouca altura de agua mandei umas colheradas de engodo, logo no primeiro lance tive um toque que não ferrou, logo de seguida ferrei um robalote que coloquei a seco, mais uns lances nova ferragem, desta feita um sargo.
Vai um gajo perceber isto, num pesqueiro com menos condições e menos altura de agua o peixe andava ali, com o rapido subir da maré o comportamento da agua mudou e a bóia já não se aguentava, rapidamente parto na procura doutro canto. 
Apostei novamente em pouca altura de agua em cima das lajes e mais uma vez dei com os sargos, a comerem de fugida e bem desconfiados, eram mais os toques falhados que as ferragens, a solução foi mudar o anzol para um mais pequeno e iscar pequeno e bem para acertar nas ferragens.
Na ultima hora consegui compor a pesca com uma sargalhada, no final tinha na lata 7 tainhas, 2 bodiões, um robalote e 13 sargos.

Depois da pesagem realizada, de um reconfortante banho de agua escaldante para aquecer, vinha a hora de reconfortar o estômago com a boa almoçarada em grande convívio.
Depois de toda gente saciada, faltava premiar os grandes vencedores, o grande vencedor foi o Luís Silva, mas conhecido por Luís Abelha, um grande pescador da terra, totalizou 20450pts.
Eu consegui um honroso 2º lugar totalizaldo 19400pts, fiquei proximo, mas ainda não foi desta que consegui uma vitória em Peniche, fica para nova tentativa.
A fechar o pódio ficou o Paulo Marques com 16920pts, também ganhou o prémio para maior exemplar com uma tainha de 2,050kgs.
O prémio para o maior numero de exemplares foi ganho pelo Luís Violante, com 27 peixes capturados.
A A.D.R.C Bordinheira dominou e ganhou por Clubes e por equipas, foi sem duvida uma boa jornada.
Este fim de semana à mais, desta feita para o campeonato de pesca da Bordinheira, com a realização da 3ª prova, vamos ver como corre e depois conto-vos tudo.
Saudações piscatórias a todos e bons lances.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Convívio Pesca CSP Municipal de Peniche

No dia 26 de março realiza-se o convívio anual do Centro Social do Pessoal da C. Municipal de Peniche.
Numa terra de pescadores, por incrível que pareça nos dias que correm este é o único convívio que lá se realiza.
Eu vou marcar presença, apareçam por lá também.
Aqui fica o cartaz para consulta.


Abraços e bons lances a todos.

sexta-feira, 10 de março de 2017

Apanhadas a dar na erva

Após uma dura semana carnavalesca, vivida intensamente como mandam as regras do Carnaval de Torres Vedras, o mais português de Portugal, o tempo bom a deixar os foliões brincarem à vontade e levarem a cidade ao rubro.



Em modo mais calmo




Um mar de gente, muita brincadeira, muita musica, muitos copos e muita alegria foram mais uma vez a receita ideal para esta verdadeira maratona de 6 dias.
Passada esta grande azafama, volta tudo à normalidade e nada melhor que um convívio de pesca, com a realização da 2ª prova do campeonato de pesca da Bordinheira para voltar ao mundo real.
O tempo alterou-se nos 3 antes da prova, deixando o mar bravo e bastante turvo, uma volta pelo mar no dia anterior fazia prever uma pescaria bastante sofrível.
Com as melhorias previstas para o dia seguinte a acontecerem, o mar a cair e incrivelmente numa maré a ficar com uma cor aceitável a conversa já era outra e o numero de participantes subiu substancialmente.
Nesta jornada voltei a ter a companhia do João Cardoso, depois dos afazeres de organizador, como habitual fomos os últimos a sair da sede, calmamente fomos procurar pesqueiro, inevitavelmente a Ericeira era o destino.
A praia da Empa foi a aposta desta jornada, com a maré cheia restavam poucos cantos desocupados onde se conseguisse pescar à bóia, depois de tudo preparado, foi num pesqueiro de recurso onde realizamos a primeira hora de pesca, ao sabor da corrente fomos empurrados para sul, neste pesqueiro ainda fui brindado com um robalinho.
Sem sentir mais nada e vendo a falta de condições, pego  no balde do engodo, nas canas e vou pesquisar uns metros mais a norte, praticamente em frente às escadas de acesso para a praia, as condições eram aceitáveis, após engodar o João chegava ao pé de mim, pescas na agua e ambas as bóias ao fundo, pelo bater não enganava eram salemas que andavam a dar na erva em cima da laje, calmamente pois estava com fio 0,165mm consegui encalhar o peixe.

Depois disto só havia uma coisa a fazer, tentar aproveitar da melhor maneira o tempo, em passo de corrida fui ao saco buscar anzóis de pé comprido, a iscar com limo, lá foram saído algumas acamaroadas pelo amigo Artur Silva que se tinha juntado ao festim, ainda perdi algumas a cortar e outras a desferrar, o normal na pesca à salema.
Com o baixar da maré elas desapareceram rapidamente e era hora de procurar nova opção onde terminar a jornada.
Tralha às costas e ir um pouco mais a norte, na laje do Forte de Mil Regos, após engodar logo no primeiro lançamento tiro um sargo o que me fez pensar que estavam lá em força, foi um tiro de polvora seca, afinal eram poucos, mas o João tirou um bom, apenas consegui tirar mais uma grande salema.
Final da prova, inesperadamente com a lata bem composta, 11 salaemas, 1 sargo e um robalote, um pescaria que deixava prever um bom resultado face às condições.
Depois da pesagem e do habitual almoço convívio fizeram-se as classificações e entrega dos troféus, consegui alcançar a vitória com 16770pts.
Em 2º lugar ficou o Paulo Marques com 15030pts, é agora o líder isolado do campeonato somando 4pts.
A fechar o pódio totalizando 11500pts ficou o César Ribeiro.
A coisa está animada e as jornadas futuras prometem, vamos ver o que nos reserva a próxima no dia 2 de abril.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...