Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

sábado, 24 de dezembro de 2011

Boas Festas

Votos de um feliz Natal e um ano 2012 cheio de alegria e boas pescarias, é o que vos desejo.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

4º Prova do Campeonato da Bordinheira

 O relato desta prova foi feito pelo meu camarada de prova Artur Silva a quem agradeço, como descreve tão bem esta jornada decidi publica-lo.
Quarta prova deste campeonato. As previsões do tempo e mar eram tão más que tive dúvidas em participar, no entanto as expectativas que criei no Pedro Franco pelo meu interesse nas coisas da pesca deveriam ter sido tantas que ficaria envergonhado se não participasse. Combinámos a hora, fatos de oleado para o carro e lá vamos nós direito à Bordinheira e à praia da Amoeira. Desta vez era para participar na competição, mas tentar não prejudicar a prova do Pedro. Chegados à Amoeira estava um tempo de uma negrura fantástica, de ondas fantásticas, eu estava bem agasalhado mas ainda sentia frio nas mãos. Resumindo; estava fantástico dentro do carro, mas…….. a obrigação pôs-me a caminho encosta abaixo, para cima do areal. Não sabia como é que havia de pescar, tais eram as condições. O Pedro orientou-me para a chumbadinha de 20 grs. e assim fiz enquanto ele começou por pescar à bóia fazendo logo alguns peixes nos primeiros lances .Quando o colega se deslocou para pesqueiro da direita iniciei um pouco de engodagem, quando o colega foi experimentar para o fim da praia, aproximei-me e subi para cima da rocha onde confirmei a existência de uma poça mais ou menos calma e vi que dava para a bóia. Fui buscar a cana da bóia e aumentei a densidade de engodo sobre a “ponta da água”, qual não é o meu espanto quando vi uma boa tainha a 2mts de distância, iniciou-se o processo de forte produção de adrenalina. Dado que estava muito perto do local da tainha, recuei cerca de 2-3 metros, isco e lanço obtendo uma captura boa, isco e lanço e bis, e mais dois bis. Chega o colega, que não queria acreditar que eu tinha 4 tainhas e…, logo de seguida ferro a 5ª. A partir daqui mantivemo-nos algum tempo no mesmo pesqueiro, começou a haver mais corrente, a maré já enchia bem (com influência da lua cheia) e a bóia já não se mantinha no mesmo sitio, deixou de dar peixe.
Acabei por ir para cima da areia e verifiquei que a bóia ainda se aguentava bem no pesqueiro, mas.... incompreensivelmente não ouve mais toques de peixe com medida, o que me deixou estupefacto, foi então que verifiquei que, embora eu pensasse que o engodo estava a correr para a esquerda, efectivamente estava a correr para a direita, terá sido por isso? O Pedro ainda fez peixe á direita, mas a partir daí, eu mantive-me no mesmo lugar, ele mudou mas já não se apanhou nada. Havia que ir á procura do anunciado cozido á
portuguesa e... aguardar pela próxima em 08.Jan.
Acabou por ser um dia de mar muito bem passado (e “de terra” também).
A prova foi ganha na Praia Formosa pelo José Tecedeiro com tainhas, Salemas e sargotes, somando 13700pts.
O Pedro fez 2º lugar com 4 sargotes com 1095grs e 6 tainhas com 3725grs totalizando 11830 pts.
Eu fiz 5 tainhas com 3,865kg, 7.730pts, 6º classº.
O Joaquim Franco também ficou nos 10 primeiros.
Aqui fica a foto da pescaria que não sendo nada de espectacular vale pelas condições adversas em que se realizou.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Uma no cravo outra na ferradura

Já estava na altura de fazer uma auto retrato do meu percurso enquanto pescador desportivo.
Desde muito novo que o bichinho da pesca começou a ficar entranhado em mim, com apenas 5 ou 6 anos já pescava cabozes nas poças na baixa mar, esse vicio foi aumentando e com 8 anos comecei a dar os primeiros passos na pesca mais a serio.
Comecei por pescar ao fundo onde aprendi os princípios básicos da pesca, como montar o material, iscar, lançar e capturar os nossos troféus. Os primeiros anos lembro-me de praticamente só apanhar bodiões e quando apanhava um sargo era motivo de festa e euforia.
Por volta dos 10 anos comecei a participar em concursos como juvenil onde ganhei traquejo e alguns troféus, até sonhava de noite ao ponto de não dormir,com apenas 13 anos já pescava como sénior pescando em clubes como o «Queijo Saloio» e posteriormente a «Venditorres», sempre acompanhado de bons pescadores onde eu era uma espécie de mascote pois era muito novo.

Com alguns anos de competição e já alcançando boas classificações, mas vendo que os pescadores de bóia ganhavam a maior parte das provas, decido então dedicar-me a essa difícil arte por volta dos 17 anos.
Sempre imbuído do espírito competitivo saudável, e sempre com princípios de honestidade e seriedade da qual sou apologista fui evoluindo. Pescando ao lado de bons e maus pescadores, vendo como pescavam e obtinham os seu resultados fui-me adaptando e criando um estilo de pesca muito próprio e que ia de encontro com os objectivos traçados.
Sendo eu uma pessoa simples um pouco reservado mas bastante acessível a todos, amigo do meu amigo e sem medo ou problemas em ensinar tudo o que fui aprendendo ao longo destes anos, fui sendo bastante respeitado e reconhecido como um bom pescador do concelho de Torres Vedras, fruto de muito trabalho e por vezes grandes sacrifícios mas quem corre por gosto não cansa. E como dizia Artur Agostinho, um grande homem da comunicação social esses elogios fazem-me bem, enchem o meu ego de orgulho fazendo sentir que vale a pena ser honesto e trabalhador mas acima de tudo continuando a ser muito humilde.
Ainda assim existe uma ou outra pessoa que tem duvidas quanto ao meu valor, pondo em causa qualidades como a honestidade dizendo que na minha lata entram peixes que não são apanhados por mim, que muitas das vitórias são com ajuda do meu companheiro de pesca (pai), ou seja que por vezes sou levado ao colo.
Para essas pessoas tenho que admitir que em certa parte tem razão, pois tenho quase a certeza que não tiveram a sorte de ter um pai que lhes transmitisse bons valores de vida e que muitas vezes tenha andado literalmente comigo ao colo para me ajudar a ser o que sou hoje, um exemplo a seguir.
É baseado nesses ideais que transmito ao meu filho que está a dar os primeiros passos na pesca, para que um dia ele possa seguir os meus passos.
 Como diz o ditado «Quem é desconfiado não é certo», , dá-me um grande gozo pescar perto dessas ditas pessoas e mostrar como se faz uma lata de peixe.
Vendo o lado positivo da coisa é apenas mais um ponto para me motivar.
É bastante engraçado vermos o nosso percurso e evolução ao longo do tempo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...