Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Como gente grande

Ora viva caros leitores, verão não é verão sem os tradicionais festejos anuais das terrinhas.
A Bordinheira não foge à regra, aproveitando os últimos dias de calor, realizou no final de Agosto, 4 dias de festa rija, repletos de muitas actividades e animação como manda a tradição.
Além dos bailaricos, realizou-se um Passeio de Motos, o Rali Tascas, o Color Run(Rã), as Cavalhadas e como não podia deixar de ser o Convívio de Pesca da Festa.
Não sendo da terra, mas como faço parte da direcção do clube, tive de dar uma mãozinha, andei a fazer de empregado de mesa pelo restaurante da festa.
Pescar estava fora de questão, mas a família Franco tinha de marcar presença, assim sendo o avô tinha de levar o neto à pesca, até porque tinham contas para ajustar he he he.
A principio a ideia era irem só os 2, mas o vício começou a mexer comigo e tive que lá ir apoiar o petiz, apenas durante umas horinhas, depois tinha de o deixar entregue ao avô e vir mais cedo para voltar aos serviços festivos.
Mas vamos lá ao relato da jornada piscatória, sem grande preparação prévia da pescaria, tirei um resto de engodo do congelador e umas sardinhas para isco.
Após a concentração arrancamos para o mar, como não tinha visto o mar, o pesqueiro foi escolhido por intuição, como o Cavalinho tem dado bons resultados voltamos a tentar lá.
O mar estava bom, uma cor excelente, nem manso nem bravo, com aquele toque ideal para dar uns bons sargos, a ideia era mesmo essa, ao descer a arriba, com a maré bem vazia, já vislumbrava um pesqueiro que me agradava, sem perder tempo fomos até lá.
Como não estava vento, montei uma cana com fio 0,20mm, uma bóia de 5grs, preparei o engodo e salpiquei as pedras onde o mar vinha lavar e fazia uma boa escoa.
Preparo os filetes de sardinha para isco e estava na hora do júnior entrar em acção, bóia na agua, logo ao primeiro lançamento a bóia afunda, ele dá o toque e peixe ferrado, uma sargueta pequena que voltou para o mar, não era mau sinal.
Novo lançamento e nova ferragem, desta feita foi um sargo jeitoso, a grade estava safa, mas a pescaria continuo.
Mais meia dúzia de lances e mais um sargo, ele olhava para o avô, que estava um pouco mais atrás e dizia para mim, o avô ainda não tirou nada, hoje é que vais ser, tenho de dar-lhe uma lição he he he.
A coisa ia andando a bom ritmo, com mais uns sargos a sair e outros a desferrar, mas o momento do dia estava para vir, a bóia volta a afundar, ele dá-lhe o toque e o peixe arranca mar dentro, nervoso começa logo a dizer, pai este é grande, este é grande......Tens de me ajudar que não consigo sozinho.
Deixei estar a trabalhar o peixe um bocado, assim que o peixe veio de boca aberta à tona da agua, ele grita é um robalo pai ......
Tentei acalma-lo e concentrar-se no trabalhar do peixe, depois de morto o mar encarregou-se de o por em cima da pedra e fui busca-lo.
O sorriso estampado na cara, o sangue a ferver por dentro, os nervos que agora acalmavam, eram os meus motivos de orgulho também, além de me trazer à memória as minhas primeiras grandes batalhas travadas com peixes de registo, isto é pesca meus amigos, composta por momento que ficam eternizados na memória.
Não sendo nenhum monstro, era agora motivo de orgulho para o pequeno, já que é o seu actual recorde.
Bom, após as fotos da praxe, lá voltamou ao activo, já com a maré a subir, entre mais umas colheradas de engodo, ainda conseguiu tirar mais um sargo, nesta altura o meu pai já tinha ido procurar novo pesqueiro.



Com o meu tempo a chegar ao limite, pois tinha de arrancar, fomos andando para sul, para deixar o júnior a acabar a jornada na companhia do avô, montei a cana com uma chumbadinha e lá ficou ele a pescar.

 A pesca estava praticamente feita 11 sargos e um robalo, ainda conseguiu apanhar mais uma tainha que não aparece na foto, após a pesagem era esperar para ver se chegava para ganhar.

Depois de servir o almoço ao pessoal do passeio das motas, seguiu-se o almoço do pessoal da pesca, só depois se realizou a entrega dos prémios do convívio de pesca.


O João não conseguiu ganhar, a vitoria escapou-lhe por escassos pontos, ganhou o Miguel Serra, o júnior João Franco ficou em 2º lugar e levou também o prémio de maior exemplar para casa, finalmente consegui ficar à frente do avô, objectivo principal alcançado, a fechar o pódio ficou o Paulo Salgado.




Mas a festa ainda ia a meio, depois de receber os prémios, nova uma actividade em família, participar no 1º Color Rã, uma divertida corrida/caminhada de 5km, com pinturas à mistura.
Foi uma estreia bastante participada e extremamente divertida, que culminou com uma mega aula de zumba, seguida de uma explosão de cores, muito fixe.




 O resultado da pintura foi este, obra do Picasso ;)
Depois da diversão, voltar ao trabalho, banhinho tomado e servir à mesa no restaurante da festa, esta foi outra nova experiência que adorei, um pouco cansativa mas bastante gratificante, grupo de trabalho 5 estrelas, para o ano podem contar comigo novamente.
Claro está que apesar do trabalho, dá sempre para divertir, ir ao bailarico, jogar o jogo dos pregos para ver quem paga umas cervejas, e acabar a noite a beber umas caipirinhas no Charco Lounge Bar, construído e animado pela malta jovem da terra.

O ultimo a espetar o prego paga, João puxa lá da carteira e paga!!!!!


São assim as festas nas aldeias do Oeste, esta já foi para o ano hà mais, venham até cá e participem, vão gostar de certeza.

sábado, 12 de setembro de 2015

Apenas um cheirinho do que podem ver

Já teve inicio a feira de Caça e Pesca - Oeste Natura, que se realiza este fim de semana no Complexo desportivo do Turcifal, perto de Torres Vedras.
Deixo aqui um pequeno cheirinho do que podem ver, algumas das melhores marcas do mercado em material de pesca, entre outras coisas.
Passem por cá para visitar a feira, venham participar no convívio de pesca no domingo, o valor da inscrição é de 12 Euros, com almoço incluído, eu estarei por lá a ajudar na organização do mesmo, caso queiram inscrever-se podem ligar para o telefone 963302613.



Alguns dos stands de material de pesca









A montra de prémios para o convívio de domingo




Se gostarem também de caça, tem mais um motivo para virem, vejam o cartaz dos acontecimentos, demonstrações, e provas e horários da feira clicando AQUI.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Dia borralheiro não intimida o júnior

No dia 16 de Agosto realizou-se o 3º Convívio de Pesca de Gentias de Cima, integrado na festa anual ,contou com a participação de 70 pescadores.
Como é habitual nesta altura do ano, dei prioridade ao meu júnior, abdicando de pescar para o apoiar em mais uma jornada, os seus objectivos eram claros, dar uma coça no avô he he he.
Na concentração matinal quem se esqueceu de chumbadas em casa, teve oportunidade de as comprar no local, chumbas caseiras feitas pelo Hugo da Assenta.
O dia, esse não estava famoso, quase nem parecia um dia de verão, dia borralheiro, e assim se manteve até à noite, mas nada que intimidasse o pequeno pescador, o vicio é terrível!!!!
Como de costume tentei procurar um local seguro para ele pescar, o mar não ajudou na escolha, bastante mexido e com fortes enchios, limitou as possíveis escolhas, obrigando-nos a pescar no Cavalinho onde se encontravam outros colegas de prova.

A companhia era boa e a animação mais que muita, apesar de não estar vento, optei por fazer uma montagem mais pesada que o habitual para pescar à bóia, por 2 motivos, mar era forte e assim fixava mais a bóia no pesqueiro e assim também conseguia ter o fio minimamente esticado, não atrapalhando os colegas.
Depois do engodo preparado e pesqueiro engodado, era hora de iniciar a pescaria, de mão quente foi o 1º a desgradar, uma tainha lutadora já animava qualquer coisa.

Depois foi penar um bocado, umas sarguetas sem peso iam sendo devolvidas, já no virar da maré as coisas animaram com o peixe a dar sinal, mais umas tainhas, algumas salemas e uns sargotes, proporcionavam bons momentos, uns felizes outros não, com alguns peixes a partir ou desferrar.
No final ele estava satisfeito com a pescaria e com o resultado, isso para mim é o mais importante, saber que se divertiu e que aumentou a sua experiência é fundamental.
Depois de pesagem do pescado, de barriga reconfortada era hora dos tão esperados resultados desportivos, esta prova foi ganha pelo Miguel Serra com 16300pts.

Em 2º lugar ficou o José Dias com 11320pts, a fechar o pódio ficou o Paulo Lucas com 10090pts.
O pequeno João Franco acabou em 11º com 5200pts, mais uma vez ficou aquém do seu objectivo principal, ficar à frente do avô, mas desta vez faltou muito pouco, apenas bastava um dos peixes que se foi embora para a historia ser diferente, fica para uma muito próxima batalha.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...