Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

terça-feira, 28 de abril de 2015

A Pesca só assim faz sentido

Este foi um fim de semana sem concursos de pesca, avizinhavam-se mais 2 semanas sem competições, mas como esta malta gosta tanto do convívio, tinha de realizar um treino para não perder a embalagem, da pesca e das valentes almoçaradas. 
Assim sendo acabamos por combinar uma pescaria às 3 pancadas, seguida de uma almoçara convívio na quintinha do Fausto, perto da Lourinhã.
Hoje não me vou alongar em relatos e descrições da jornada de pesca, quero apenas deixar mensagem e testemunho do verdadeiro significado da palavra PESCA, pelo menos na minha maneira de a ver.
Para muitos a palavra pesca, resume-se apenas a meras capturas, de muito peixe ou de alguns grandes exemplares, não é que não o seja, já que o objectivo principal é esse mesmo, capturar peixes. 
Mas para mim, pesca vai muito além desse mero acto isolado, pesca é sossego, é procurar alguma paz de espírito junto ao mar,  é desanuviar a cabeça, um escape para os problemas do dia a dia, pesca é  acima de tudo partilha, com os amigos do costume, mas também com pescadores desconhecidos, pesca é sinonimo de novas amizades, de almoçaradas e petiscos, de muito e bom convívio, daquele que não nos dá vontade de abandonar e voltar para a vida rotineira.
Mas nem tudo é um mar calmo e sereno, pesca é também, uma fonte geradora de discussão, de  discórdia. de conflitos, dentro e fora de casa, de ódios e invejas,  em alguns casos grandes amizades viram inimizades, a pesca cria dependência tipo a droga, faz-nos perder a noção dos limites, do tempo, das prioridades e responsabilidades que devemos ter.
Tudo isto faz parte da pesca, coisas boas, coisas menos boas, cabe a cada um saber gerir estas condicionantes e dar o seu sentido à palavra PESCA.
Passemos ao relato, divido a uma forte chuvada durante a noite na zona da Louirinhã, fomos obrigados a procurar aguas com boa cor mais a norte.




 Olha o banho!!!!




 Mais uma boa luta.




 O resultado final.
Acabamos todos por ir pescar para a zona da Papôa, em Peniche, a maior parte apostou na bóia, com sardinha para engodo e isca, o mar ajudou e os sargos andavam por lá, resumindo, foi uma manhã de pesca muito animada, bem molhada pelas ondas, com boas lutas e algum peixe perdido, eu deixei lá um sargalhão daqueles XL, praticamente morto, acabou por partir aos pés.


O Martinho vai buscara cana, ainda há aqui uns peixes para apanhar!!!

                                                        Elas não matam, mas moem ;)

Depois da pescaria já com o apetite bem aberto, a bela almoçarada no campo ao ar livre, pato com laranja no forno a lanha, tudo produto caseiro, bem regado como manda a lei, umas sobremesas caseiras e prova de licores, ginjas e afins, um dia de pesca quase perfeito, só faltou o Benfica ganhar ao Porto, he he he.
Grande abraço a todos e continuação de bons lances.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Mudança de spots com algum delay

No passado domingo realizou-se a 3ª prova do campeonato de pesca da Bordinheira, esta era mais uma prova onde não podia falhar, sob pena de perder o comboio da frente na defesa do titulo do ano passado.
O pesqueiro escolhido para esta jornada foi o Cavalinho, não é que goste do pesqueiro, mas a maré, as condições do mar algo agitadas, com período elevado, ajudaram na escolha.
A ideia inicial era ver se dava com as salemas, já que estamos na época delas , embora elas andem um pouco desaparecidas.
Chegado ao pesqueiro, onde estavam já 2 colegas da prova o Paulo Marques e o Eduardo Arrenegado, toca de montar as canas, para começar optei por pescar mais fino, fio 0,16mm e bóia de 3grs, preparar o engodo e isca, era hora de entrar em acção, com os 3 a pescar à bóia no mesmo buraco, eu fui o primeiro a tirar peixe, uma tainha, depois apanhei umas sargetas, na maioria sem peso foram sendo devolvidas, o Paulo entretanto apanha também uma tainha.
As salemas não estavam por ali, a maré vazava e apenas o peixe rei entro no pesqueiro, insisti até faltar a paciência, e tardiamente lá peguei nas tralhas e mudei de pesqueiro.
Fui andando para norte, onde estava o meu pai a pescar, apenas tinha apanhado uns bodiões, como o pesqueiro estava bom decidi fazer uns lançamentos ali mesmo, carrego bem no engodo, e pesca na agua, a maré já repontava, e pouco depois ferro um peixe, pelo bater vi logo que era uma salema, depois de trabalhar o peixe lá o pus a seco, novo lançamento e nova ferragem, mais uma salema, desta feita acabou por cortar o fio e levou o anzol, elas entraram em força, pensei eu.
Sem hesitar estico a cana com fio mais grosso, 0,18mm e mudo o anzol para um de pé comprido, Começo a iscar com limo, entre algumas ferragens falhadas tirei mais 2 salemas, depois disso desapareceram, nesta altura já o Paulo nos fazia companhia, continuei a insistir, mas delas nem sinal, volto novamente para a pesca mais fina e lá tirei um sargote, ferro mais uma tainha mas acabou por se desferrar.
O tempo passava e a subida repentina do mar tirou as boas condições de pesca, fui obrigado a procurar outro pesqueiro, mais a norte nos Guiões(de dentro) o Eduardo tentava desgradar, o mar já varria a pedra, depois de engodar, ferro 2 salemas uma acabou por partir e outra por desferrar, mais uma vez cheguei tarde ao pesqueiro, fui obrigado a recuar para o Guião de Fora e lá consegui tirar mais uma salema, com as fortes correntes a levar o engodo não restava outra alternativa senão mudar novamente de spot.
Sem muitas mais opções voltei para o pesqueiro inicial, já a pescar com agua pela cintura ainda tirei 2 sargotes nos momentos finais da prova, o resultado final de 4 salemas, 4 sargotes, 2 tainhas e um bodião.
Não foi mau de todo mas fiquei com a sensação de que podia ter feito melhor, bastava ter mudado de pesqueiros nas horas certas, naquele momento em que pressentia que o peixe já não estava no pesqueiro, não devia ter insistido,  o resultado dessas mudanças tardias foi o que se viu, chegar aos spots sempre com uns minutos de delay(atraso), dar com o peixe mas já com poucas condições para lá pescar, fica a nota para as jornadas futuras.
Agora restava saber os resultados dos restantes pescadores, na chegada à pesagem deu logo para ver que também tinha sido fraquinho, com a exeção de uma bonita pesca de 2 robalos apanhados ao corrico, pelo Pedro Veloso.


Depois do magnifico almoço, confeccionado pelo Pedro, o novo chef de cozinha, bifinhos de vaca com cogumelos e natas, bem regados pela boa pinga do Oeste, era hora de saber dos resultados finais.
Em 1º lugar destacadamente com 14760pts  ficou o Pedro Veloso, que sabia que os robalos lá andavam e apostou e bem no corrico, 2 belos peixes um dos quais com 2,5kg, merece os parabéns pelos peixes e pela vitória.
Em 2º lugar ficou o Miguel Serra com 11720pts, um sério candidato à vitoria final, a fechar o pódio com 9190pts ficou o César Ribeiro.
Eu acabei no 4º lugar com 8645pts, que apesar de não ter ganho, consegui subir umas posições e já estou no top 3, com 8 pontos de desvantagem para o 1º lugar, ainda falta muito campeonato, mas este ano a coisa vai animada e a dar luta, vamos ver como correm as próximas jornadas.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

O antigo(novo) Cordão Dunar

O município de Torres Vedras já precedeu à intervenção de estabilização e recuperação das dunas entre as praias Azul e Foz do Sizandro, uma intervenção superior a 33 mil euros, com financiamento comunitário.



Em cerca de 3,5 hectares de dunas estão a ser colocadas vedações e vegetação, no sentido de regenerar todo o sistema dunar.
Nos 125 hectares de dunas de todo o litoral do concelho, o município vai colocar placas sinalizadoras a informar os cidadãos para aí não circularem nem estacionarem, sob pena de aplicação de coimas que vão dos 250 aos 30 mil euros.
A Câmara Municipal já tinha iniciado em 2005 uma intervenção idêntica no valor de 153 mil euros, para salvaguardar o sistema dunar de Santa Rita, com estas intervenções já foi possível verificar a fixação de espécies vegetais autóctones e um aumento da reposição das areias.
Mais uma boa iniciativa da autarquia, o ambiente agradece e nós também.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Pessoal do Metro de Lisboa não faz greve e eu também não!!!

Este fim de semana realizou-se mais um convívio de pesca do A.C.B.S.A. do Varatojo onde participaram 126 pescadores, incluindo eu claro está.
Jornada estudada no dia anterior, a escolha do pesqueiro foi difícil devido a uma serie de condicionantes, a maior parte dos pesqueiros da zona estão muito areados e acima de tudo a falta de peixe que se tem sentido na zona Oeste, faziam prever mais uma jornada penosa, ainda que as previsões do mar e tempo fossem boas.
Depois do sorteio lá rumamos ao pesqueiro, Cambelas foi a opção, o mar estava 5 estrelas, as saudades de estar com a cana na mão já apertavam, esta zona de pesca estava bastante concorrida, o pessoal do Metro de Lisboa não fez greve desta vez e fizeram-me companhia no pesqueiro, como é meu apanágio dei-lhes umas dicas sobre o spot em questão, pois não conhecem muito bem esta zona e por ali tentaram a sua sorte.





Depois de tudo preparado, canas montadas e engodo feito, tirei umas fotos à malta e dei inicio à jornada, no primeiro spot nem sinal de peixe, após insistir, sem resultados fui andando para norte, fiz mais 2 pesqueiros e peixe nem vê-lo, nada que não esperasse, este ano vai complicado.
Toca a andar em busca de algum peixe, nova aposta atrás da lage da Ponta da Vela, engodo no pesqueiro, e bóia na agua, finalmente ferro uma tainha, após alguma luta desferra, mais uns lançamentos e nova ferragem, desta feita um bom sargo, mas mais do mesmo após alguma luta acabou por desferrar, o peixe é pouco e ainda por cima o que lá vai não fica, depois de uma boa quantidade de palavões debitados, lá continuei a tentar.
O tempo passava e continuava a gradar, já desanimava, tentei manter a calma e o animo, mas estava difícil, fui tentando motivar-me, lembrei-me de algumas passagens minhas e dum grande colega de pesca, o Carlos André, que nunca desistia nem desanimava, apostava num pesqueiro até ao fim, e muitas vezes numa hora o peixe entrava e fazia a pesca para ganhar.
Era meio dia e meia quando finalmente apanho uma tainha, logo de seguida tiro um sargo, o pesqueiro perdia altura de agua e fui insistindo, mas deixei de sentir peixe.
Faltava meia hora para terminar a prova, arrisco mais um pouco, pego no balde de engodo, e atravesso a agua e vou para cima da lage, engodo forte no descair da lage, onde o mar ao descair fazia mais branca, meto a pesca a trabalhar e tiro mais um sargo, novo lance e sinto mais um peixe, não ficou, estavam a comer mal, então subo a altura da bóia e fico a pescar ao tento, bóia fora de agua a sentir as investidas, e lá consegui tirar uma serie de sargotes e 2 tainhas, afinal o peixe até estava lá, mas muito manhoso e desconfiado, apenas encostado ás pedras.
A pesca terminava com o peixe no pesqueiro, já foi tarde a a más horas que dei com ele, mais uns minutos e a coisa compunha-se, mas a pesca é assim mesmo, no final saia satisfeito mas frustrado ao mesmo tempo pois senti que podia ter feito melhor, 3 tainhas e 7 sargotes foram as contas finais.
Era hora de entregar o peixe, fui ainda convocado para ajudar na pesagem onde fiquei na balança, sem stress, ajudo sempre que me peçam, até aqui sem problema, o que aconteceu depois é era dispensavel.
Por infortúnio, 2 pescadores chegaram 5 atrasados para a entrega dos pescado e com pescas para os primeiros classificados, eu como pescador e não fazendo parte desta colectividade não me cabia dar o parecer de aceitar o peixe ou não, o peixe foi pesado, e coube apenas à direcção a decisão de não classificar esse peixe.
Eu limitei-me apenas a pesar, mas na minha opinião independentemente do que tenha acontecido e motivado o atraso, não se deve abrir excepções e os horários são para cumprir, na minha colectividade já fui desclassificado por chegar 2 minutos atrasado e muito bem, para evitar estes mal entendidos, a direcção deveria ter decidido na hora não aceitar o peixe, sem que este fosse pesado e o problema ficava resolvido ali, assim ficou no ar a duvida em que tinha sido eu a dizer para desclassificar o peixe, logo eu que sou pacifico e não gosto de ter chatices com ninguém, pior, enquanto a malta ia descansadamente petiscando e bebendo uns canecos eu estava na pesagem, sai algo melindrado desta situação.
Após falar com as pessoas em questão tudo ficou esclarecido,  é que não gosto de mal entendidos,  fica a bonita atitude e desportivismo da pessoa XX, que sentidamente veio ter comigo e falar cara a cara, é assim que as pessoas civilizadas se entendem, continuaremos amigos como dantes, ou mais ainda, gostei companheiro!!! 
Bom após este desabafo vamos continuar, depois de tudo bem almoçado e bebido era hora de saber os resultados desportivos, em 1º lugar ficou o David Alexandre com 14320pts, para ele os meus parabéns.
Em 2º lugar ficou Jorge Correia com 9800pts, em 3º lugar a fechar o pódio Paulo Marques com 7300pts.

Eu acabei em 5º lugar com 6060pts, por clubes ganhou a G.A.P Magoito e por equipas a Bordinheira saiu vencedora.


Ficou concluída assim mais uma jornada desportiva, e de muito convívio e pesca, agora que venha a próxima.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Preparação passo a passo de uma jornada competitiva

Com as jornadas de competição a começar a todo o vapor, aumenta a ansiedade e o entusiasmo piscatório, a preparação destas jornadas de competição é diferente, mas não muito de uma jornada normal, este post é relativo a essa mesma preparação.

A pedido de alguns leitores do blog vou desmistificar este assunto, vão poder ver que é uma preparação bem básica, assim como todo o material que uso, em jeito de graça costumo dizer que uso material segundo a regra dos 3 BB's, ou seja Bom, Bonito, Barato.
Mas vamos lá então esmiuçar as coisas.
1º passo é analisar antecipadamente(2 dias) as previsões do estado do mar, vento para o dia que vamos pescar, recorrendo ao site Windguru.
2º passo é ver as horas das marés bem como a sua amplitude recorrendo ao site do Instituto Hidrográfico, isto para consoante as condições do mar e horas da maré seleccionarmos logo os pesqueiros que nos parecem os mais indicados para essas condições(só com um vasto conhecimento da zona de pesca se consegue fazer isto).
3º passo este muito importante, fazer uma visita aos pesqueiros em mente no dia antes da prova, mais ou menos à hora de inicio da mesma para averiguar as reais condições, cor da agua, quantidades de areias nos pontos chave, bem como o trabalhar do mar nesses locais, este trabalho algumas vezes é em vão pois no dia da prova as condições mudam, mas o estudo feito na maioria das vezes dá os seus frutos.
4º passo é tirar do congelador o engodo, no dia antes da prova, para que este vá descongelando naturalmente, eu nunca migo previamente engodo em casa, vou migando durante a pescaria consoante a necessidade.
5º passo é preparar o material para a prova, no meu caso nada de extraordinário, ao contrário do que muitos pensam, escolher 2 canas(sempre curtas) entre umas quantas que tenho, colocar nas canas 2 carretos, um com fio mais fino 0,16mm e outro com fio mais grosso 0,18mm, escolher 2 bóias consoante o estado do mar, uma com gramagem superior à outra, normalmente uma de 3/4grs e outra de 5/7grs, a mais leve montada no fio mais fino, como faço pesca directa, ou seja sem baixadas, basta correr a bóia pelo fio e empatar o anzol, estes podem variar entre o nº4 e nº10 consoante o tipo de peixe que pretendemos capturar, calibrar com os chumbos necessários para esta trabalhar bem.
6º passo é antes de dormir tirar a isca para que esta descongele naturalmente, no meu caso pesco quase sempre com sardinha congelada, uma nota importante, nada de por sal para a enrijar e segurar melhor no anzol, o peixe gosta dela mais macia.
7º passo é dormir descansadamente, sem ansiedade ou pelo menos tentar, com o tempo vamos-nos habituado a controlar isto.
Depois do trabalho de casa bem feito, resta por em pratica na prova a lição que estudamos e ver se resulta, caso não esteja a resultar, pensar rápido num plano B para tentar dar a volta à situação, o que acontece muitas vezes.
Estas dicas servem também para uma jornada de pesca normal, apenas abdicando da visita guiada aos pesqueiros em mente, podemos a partir de casa no dia anterior ter uma ideia de como está o mar vendo o mar em directo em certas praias de todo o pais no site Beachcam, não é a mesma coisa mas ajuda e poupamos uns euros em deslocações.
Espero ter ajudado, alguns destes pontos tentarei abordar de forma mais aprofundada noutros posts(sei que estou em falta para com os leitores que participaram na votação que fiz no blog, não está esquecido!!!)

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Pescaria bem argumentada

Depois de mais um grande convívio de pesca na Bordinheira, realizado este sábado passado, onde compareceram cerca de 90 pescadores, cá estou eu a fazer o devido relato dos acontecimentos deste dia.
Como as notas do júnior João Franco corresponderam às expectativas, mereceu plenamente participar nesta festa, eu como é apanágio, sempre que ele vai à pesca, não pesco para lhe dedicar toda a atenção que precisa, mas garanto que falta muito pouco para podermos estar os 2 a pescar em simultâneo, dá gosto ver como já está muito à vontade naquilo que faz.
O relato da nossa pescaria vou passar à frente, pois está documentado no video, vejam e apreciem a habilidade do artista.


                                              Aqui está o video resumo da jornada
Passo agora para os resultados desportivos, onde mais uma vez a falta de peixe se fez sentir, já que mais de metade dos participantes não conseguiram safar a grade.
Em 1º lugar ficou o Miguel Serra com 24510pts, seguiu o meu conselho do pesqueiro e deu com os seus peixes preferidos, uma bela teca de tainhas, para ele os meus parabéns.
Em 2º lugar ficou o Nelson Inácio com 21480pts, ganhou ainda o prémio de maior quantidade com 25 exemplares, a fechar o pódio ficou o João Pola com 14130pts.

O maior exemplar foi capturado pelo Armando Guerra, uma tainha com 1,585kg, o meu aprendiz ficou num modesto 32º lugar com 790pts, não teve peixe no pesqueiro, o único toque de peixe, foi o da tainha que apanhou, quando assim é nada podemos fazer, o importante é que se divertiu na mesma à pesca e no convívio.

Não podia deixar de mencionar a vitória do júnior Bruno Ferreira com 2330pts, bem como a participação de uma boa quantidade de juventude neste convívio, é de sangue novo que este desporto precisa, muito bonito mesmo.


Este foi um fim de semana de algum trabalho e agitação na colectividade, resumindo foi um ensaio para o grande convívio de pesca que realizaremos no dia 17 de Maio, onde esperamos cerca de 200 pescadores, aproveito para vos convidar para esse evento, marquem na agenda ;)





Penso que todos os participantes se tenham divertido já que a boa disposição e amizade foi palavra de ordem, já para não falar do grande almoço servido com aquela boa disposição inigualável.
Saudações piscatórias e bons lances companheiros.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...