Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Concurso de pesca de Salir do Porto

Mais um fim de semana, mais uma prova, desta feita em Salir do Porto, onde apenas participaram 60 pescadores, pois coincidiu com outra prova de pesca na Charneca de Cascais, como não podia estar nos dois optei por ir a Salir.
Sem grande conhecimento desta costa, «Vatos» foi o pesqueiro escolhido, fica a sul da baía de São Martinho do Porto, zona de pedra com muitos caneiros, ideal para pescar na baixa mar, e com mar mexido como se previa era uma boa aposta, até porque não conheço outro.
Depois de descer a arriba na companhia do meu pai e do amigo Artur, era hora de preparar o material e engodo para quando chegasse a hora do inicio não perder tempo.

Como as aguas estavam tapadas, optei por montar apenas uma cana para uma pesca polivalente, ou seja que desse para todo o tipo de peixe, assim coloquei um carreto com fio 0,18mm , uma bóia de 3grs numa cana curta de 3,90mts, a ideia era pescar aos pés devido ao vento com intensidade de norte que se fazia sentir, e facilitar a ferragem do peixe.
O engodo de sardinha, migado na hora e só com água, conforme a pesca exigia, para isco sardinha foi a aposta, pois dá para todo o peixe.
Chegada a hora de começo, tentei procurar os sargos entre as pedras, numa zona de agua bem oxigenada e mexida, onde na 1ª hora apenas tirei um sargote e 3 bodiões.
Sem sentir grande coisa, começava a dança de pesqueiros, e fui descaindo sempre para sul conforme a agua foi descendo, O amigo Artur fazia pela vida, mas o peixe estava escasso, o meu pai tinha tirado uma salema e andava a tentar apanhar umas tainhas pequenas e manhosas que lá andavam, encosto-me a ele, mudo o anzol nº4 para um nº8 e tiro 8 praticamente seguidas, elas desapareceram do pesqueiro e as que vinham estavam difíceis. 


Como não tenho paciência para apanhar rabacos(não é que apanhe grandes exemplares), pego no balde de engodo e vou 100mts mais para sul, atrás da lage, engodo forte e consigo encostar lá as salemas, que apesar de andarem a comer mal(pareciam tainhas) fui tirando algumas, com muitas a desferrarem e algumas a levarem o anzol.
A maré já repontava e mandou-me para fora desse buraco, já cá fora tiro uns sargotes e mais 2 tainhas e mais 3 salemas, apesar do peixe ser miúdo, acabei a prova com a lata cheia, no total foram 36 peixes, 12 salemas, 10 tainhas, 4 bodiões(apenas um pesou) e 10 sargotes.

Depois da pesagem confirmou-se mais uma vitória bastante suada e renhida totalizando 2275 pontos, com vantagem de apenas 1175 pontos para o 2º classificado Sérgio Serra ex-campeão nacional de bóia, esta foi uma vitoria com sabor especial por esse facto e por ter sido fora de casa.

Por clubes e equipas a Bordinheira dominou alcançando a vitória em ambas categorias, com boas classificações, 8º Miguel Serra, 10º Joaquim Franco e 30º Artur Silva.
No final no soteio das rifas fui premiado com um grade peru, que fez a viagem comigo até Torres Vedras, foi para acaber em beleza o dia e que me deixou com um sorriso de orelha a orelha.

O Salir está de parabéns, pois tudo esteva bom, ficou apenas manchado pelo facto de coincidir com a prova  de pesca na Charneca de Cascais, o que estragou um pouco a festa, para o ano vamos lá alterar esta situação, que não traz benefícios para ninguém já que existem muitos fins de semana sem provas, e a malta gosta destes convívios.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Foz do Douro, uma brisa do Norte

 Estando a trabalhar no Norte, mais propriamente em Vila Nova de Gaia e a dormir na pousada da juventude do Porto, que fica próxima da Foz do Douro, nuns finais de tarde amenos, fui fazer umas caminhadas pela zona costeira desde a Foz  até ao Castelo do Queijo, que oferece excelentes condições para a pratica de exercício físico em contacto com a natureza , apanhar uma brisa marítima, e tirar umas fotos desta bonita zona que partilho agora convosco.




Um pescador persistente na boca da Foz, a tentar apanhar uns robalos com camarita viva, mas sem sucesso. 






Uma brisa de Norte com alguma intensidade.







Posso dizer que fiquei impressionado pela positiva com a magnifica paisagem, se lá forem de certeza  vão gostar também.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Concurso de pesca do Stella Maris


Neste domingo realizou-se em Peniche mais um concurso de pesca do Stella Maris com a participação de 100 pescadores, eu era para folgar pois são já muitas provas seguidas e o cansaço aperta, mas também porque não gosto muito de pescar em Peniche, por vários motivos, mas à ultima hora resolvi participar, pois tenho um colega que me desafiou e tenho alguns objectivos pessoais que quero cumprir e me fizeram mudar de ideias.
Fui de boleia com o grande colega Artur que está sempre disposto a novas aventuras marítimas  que bem cedo passou por minha casa, para darmos uma vista de olhos em alguns pesqueiros antes da prova, e ainda apanhar algum limo para isco, pois a estratégia de pesca era apanhar salemas.
Depois do sorteio, rumamos ao Baleal, para trás da capela, num pesqueiro com 5mts de altura, ainda faltava meia hora para o inicio da prova, montei logo 2 canas, uma com 0,185mm e bóia de 3grs, e outra com 0,235mm e bóia de 6grs, preparei um balde de engodo forte com areia para tentar por o peixe a comer aos pés.

Dado o inicio da prova, lançado o engodo ao mar, era hora de ir procurar peixe, depressa vi que o mar abalava com a bóia, bem como com o engodo para fora do pesqueiro, sem ter um único toque de peixe nos primeiros minutos de pesca e vendo que o pesqueiro não agradava era hora de mudar.
Pego na tralha e vou experimentar num buraco à esquerda da capela, num pesqueiro que tinha ficado debaixo de olho, umas colheradas de engodo e ao 2º lançamento tiro uma salema, pouco depois tinha o Artur a fazer-me companhia a tirar também algumas salemas, insisto no engodo, e sempre a iscar com limo tiro mais algumas, com a ajuda do Artur no camaroeiro, com muitas a desferrarem e outras a partir o que me deixava algo irritado, no virar da maré o peixe falhou, demorei algum tempo na leitura e funcionamento do pesqueiro até voltar a dar com elas mas longe o que dificultava a ferragem pois o peixe estava a comer mal.




Mesmo perdendo muitas salemas, acabei a pesca com a lata composta, no total 22 salemas com 10,350 kgs totalizando 31050 pontos e classificando-me em 7º lugar, o que não foi mau de todo. 





Por clubes e equipas o A.C.B. Varatojo alcançou a vitória  a Bordinheira ficou em 2º lugar por equipas e clubes, com a ajuda fulcral, das novas aquisições (os amigos Night Fihs), onde estiveram em grande destaque o Nelson Ferreira(Puxa Cabos) em 5º, e David Forcada 6º lugar respectivamente sendo os melhores classificados do clube.
Em 1º lugar ficou o Paulo Salgado com 69150 pontos, do A.C.B. Varatojo que apanhou  48 salemas, e acumulando o prémio para o maior nº de exemplares.
O maior exemplar foi uma tainha com 1,250grs apanhada pelo Leonel Oliveira do A.C.B. Varatojo.


Foi mais aventura de pesca e muito convívio,  onde tudo correu bem, com um único reparo a fazer, na terra de pescadores e do bom peixe fazem uma feijoada de Choco escondido, vamos lá rectificar este pequeno lapso, de resto tudo correu bem.
Na volta para casa ainda fomos dar uma espreitadela em alguns pesqueiros para futuras provas, passamos pela praia da Consolação e Porto Batel, onde pude tirar umas ideias para novas pescarias.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...