Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

terça-feira, 3 de maio de 2011

Um recorde para o guiness, ou talvez não!!!!

Este domingo realizou-se um concurso de pesca do Independente de Peniche, o mar estava bom e não havia vento o que para a pesca ajuda eu como não sou fã de Peniche decidi dedicar-me aos sargos em vez de ir apanhar tainhas ou salemas, e até correu mais o menos tendo capturado 18 sargotes 6 tainhas e uma salema, na classificação fiquei em 32º.
Neste concurso participaram 180 pescadores, e peixe as carradas (praticamente todo para o lixo).
Em primeiro lugar na classificação ficou João Fastré da G.A.P. Magoito que no final da prova capturou 384 peixes(tainhas ,cavalas) com um total de 105 kg, uma brutalidade de peixes. Não sei como conseguiu apanhar tanto peixe sozinho, basta fazer umas simples contas, se a prova teve a duração de 5 horas, ou seja 300 minutos se ele apanhou 384 peixes dá uma média de 1,28 peixes por minuto.
Será possível?Será que não perde tempo a iscar, engodar, tirar o peixe? Quando começou a pescar já o pesqueiro estava engodado e cheio de peixe? O homem não pode perder um minuto sequer para conseguir tirar tanto peixe!!!
Seja como for eu sou como o São Tomé tenho as minhas duvidas, preciso ver para crer, e só depois disso posso dizer que é uma pescaria para entrar no recorde do guiness. Em todo o caso os meus parabéns na mesma.
É por este tipo de pescas que em Peniche nos concursos os pescadores como eu dizem que não vale a pena ir, pois o peixe de qualidade nunca tem valor, para não falar em trafulhices que por lá se fazem, eu queria ver se só atribuisssem  pontuação ao peixe de qualidade, será que conseguiam apanhar 100kg de peixe em 5 horas. 

7 comentários:

  1. Já nem a pesca escapa ao Pinto da Costa...

    ResponderEliminar
  2. Boas
    sabes como é até na pesca existem esses problemas!!!!
    mas temos de continuar a lutar para que isso deixe de ser possível.

    ResponderEliminar
  3. Exmos senhores
    Eu como pescador do GAP venho afirmar que João Fastré é um especialista na pesca ao garrento, tem rapidez,resistência, isca bem, enfim tem de tudo para quem gosta e se dedica a esta pesca, claro também tem 01 engodador.
    Pois Sr.José Navalho e Pedro Franco acreditem que é verdade, bateu o seu record pessoal.
    Este tipo de pesca foi e ainda é utilizada em Cascais, onde existe milhares de peixes Garrentos, que tem por nome pesca a ver.
    Se os senhores não acreditam, a melhor opção é irem observar e aprender.
    E depois não fiquem de boca aberta como é possível.
    Boa tarde cumprimentos e boas pescarias.

    ResponderEliminar
  4. Exmos Senhores
    José Navalho e Pedro Franco, pois fiquem a saber que o GAP é um clube ao sério o que é é e mais nada, não somos Pinto da Costa como o senhor afirma somos gente rica e séria e trabalhamos imenso para este clube de amigos continuar em frente.
    Boa tarde e fique bem.

    ResponderEliminar
  5. Acho que me esqueci foi da classificação para os senhores avalizarem é que a equipa do GAP entre onze temos 10 pescadores do 1º ao 10º.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas Amigo Vitor Garcia,
      só agora vi o seu comentário, também sei que a equipa da GAP é formada de grandes pescadores dos quais eu conheço e falo bem com eles mas é como lhe digo como nunca tive a oportunidade de ver sou como São Tomé ver para crer e depois tirar as minhas conclusões.
      Sei que são especialistas na pesca ao garrento mas estou em total desacordo quanto a terem engodadores que passam toda a prova a mandar engodo e nem sequer pescam, além disso estes métodos pescatorios tornam os concursos das zonas onde se fazem estes tipos de pescas um pouco viciados e injustos pois ganham sempre os mesmos pesqueiros provocando uma correria e por vezes marcação prévia dos pesqueiros, originando muitos conflitos e duvidas.
      Assim sendo eu achava boa politica limitarem a captura de tainhas a um numero fixo de unidades( por exemplo 10 ou 15 maiores exemplares) de maneira a que obrigasse a fazer outro tipo de pesca ou procurar outros pesqueiros onde exista mais variedade de peixe, ameu ver daria mais emoção e competitividade nas provas alem de valorizar o peixe de qualidade.
      De qualquer dar formas gostei do seu ponto de vista e contributo no blog, que é um espaço aberto onde todos podem dar a sua opinião.
      Abraços

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...