Este espaço destina-se à divulgação da pesca, em especial da pesca à bóia e da pesca de competição, onde relato as minhas pescarias e aventuras na região Oeste e não só.

Segue-me no Facebook

quarta-feira, 30 de março de 2016

Inicio de época a todo gás

Este passado dia 20 teve início à época competitiva, com o G.A.P. de Magoito a realizar mais um grande convívio de pesca.
A.D.R.C. Bordinheira como habitualmente marcou presença representada por 14 pescadores, eu não podia faltar e lá fui com o meu pai e com o Artur Silva.
Antes da concentração as noticias não eram as melhores, o pesqueiro pensado, a Aguda estava bastante areado, bom lá tivemos de procurar outro poiso.
Depois do sorteio lá fomos nós em busca do spot ideal, sem grande conhecimento da zona, paramos na praia das Maçãs, muita areia, muita gente já nos pesqueiros e pouco pesqueiro para tanta gente.
Nova paragem, desta feita na praia Pequena, mais do mesmo, muita areia, sem pescadores, mas com muito poucas condições para se pescar.
O que fazer??Lá continuamos a procurar, agora mais para norte, com a Samarra na ideia lá fomos, pelo caminho uma espreitadela na Aguda apenas para confirmar a informação de muita areia.
Paramos o carro no estacionamento, espreitamos, apesar de alguma areia, não me pareceu mal, para não perdermos muito mais tempo, optamos para por ficar por aqui.
Toca de pegar nas tralhas e descer a longa descida, assim que ia descendo, aquele faro aguçado de pescador ia trabalhando, logo junto á descida o pesqueiro do Porta Aviões chamava por mim.
Um pequeno senão, na ponta dessa grande lage estava lá um senhor a pescar ao pião, fui lá falar com ele, disse-lhe que estava numa prova, se podia engodar e pescar um pouco mais atrás na ponta da laje.
Ele bastante directo disse «Também estou no concurso, desde que respeite as distancias de regulamento está à vontade», posto isto fiquei por ali com o Artur, bem longe do spot ideal, mas com um ultimato daqueles tivemos de ficar bem cá atrás, o meu pai acabou por ir mais para norte.
O mar estava bom, nem manso nem bravo, boa cor, pouco vento, condições ideais para uma boa jornada, antes de entramos em ação, preparar um bom balde de engodo forte com areia, na ideia levava o zum zum que as salemas andavam em força por mares sintrenses.
Toca de engodar que já passava meia hora do inicio da prova, estiquei uma cana com fio 0,20mm e uma bóia de 4grs pois o pesqueiro assim o pedia, estávamos em cima de uma laje com 2mts de altura.
Uns filetes de sardinha preparados e lá iniciei a jornada, logo no 1º lançamento tive um toque de peixe, apesar de não ter ficado era bom sinal, novo lançamento e não tardou muito para a cana vergar, a grade estava safa com um sargo.

Entusiasmado com este bom começo volto à carga, novo peixe ferrado, pelo bater já sabia o que era, pois está claro as suspeitas do costume, uma salema a dar luta, com calma lá a tirei.
Depois de a tirar fiz logo o teste de fogo, pego num bocado de limo como isco, depois de lançar foi tiro e queda, peixe ferrado mas desta feita acabou por partir o empate.
Novo anzol, mas este com pé comprido, devidamente iscado com limo, mais umas colheradas de engodo e lá fui trancando umas salemas, bem manhosas que elas estavam, era meio por meio, umas vinham outras desferravam.
Numa altura em que elas pareciam estar a comer melhor, ainda estiquei uma cana que levava preparada exclusivamente para elas com bóia de 7grs e fio 0.235mm também com anzol de pé comprido, mas elas de tão desconfiadas que estavam não se faziam à isca com grande vontade.
Voltei para a pesca mais fina e lá fui continuando a tirar algumas.
Com o subir da maré, o mar começou a varrer o pesqueiro e as condições de pesca complicaram-se, o peixe parecia estar de abalada, sem grandes perspectivas peguei na tralha e fui procurar novo pesqueiro mais a norte.
Acabei por me juntar aos meus colegas de equipa Filipe e João Rodrigues, as condições aqui também não eram as melhores, muita aguagem para sul no pesqueiro, não permitiam o peixe permanecer no pesqueiro, nem pescar em condições, ainda consegui tirar mais 2 salemas.
Não satisfeito e como ainda faltava 1 hora de pesca, voltei ao pesqueiro inicial, onde terminei a pescaria na companhia do Artur, ainda fui a tempo de tirar mais 2 salemas.
No final da pescaria a lata estava mais que composta, foram 25 salemas, uma tainha e um sargo, agora faltava a parte pior, subir a longa arriba até ao carro.  

Depois da pesagem, e banho tomado a hora mais esperada, dar ao dente, aqui nunca falha he he he, mesa farta é o que se quer, a juntar a isto boas amizades e uns canecos valentes, o dia corria sobre rodas.
Antes de terminar o dia a entrega de troféus, mais uma vez a vitória coube a um grande pescador e conhecedor desta costa, Luis Costa totalizou 20400pts e sagrou-se vencedor, para eles os meus parabéns.
Em 2º lugar com 16340pts ficou o David Forcada,  com o registo de um belo robalo 3,685kg.

Eu fechei o pódio, fiquei em  3º lugar com 15830pts, não foi mau de todo para inicio de época.
O prémio para maior numero de exemplares coube ao António José da Charneca, com 29 exemplares capturados.
O maior exemplar da prova foi capturado pelo Rui Caeiro do Carrascalense, que não ficou atrás do David e tirou outro robalo um nadinha maior, este acusou na balança 3,875kg. 
Nos júniores Edgar Faustino saiu vencedor totalizando 700pts.
Por clubes e equipas a A.D.R.C. Bordinheira dominou e venceu as 2 categorias.
Não podia terminar o relato sem dar os parabéns à organização pelo bom trabalho realizado.

2 comentários:

  1. Hubo de todo,pesca y buen ambiente.Me gustan donde se conoce a más pescadores y terminan en banquete jajaja,saludos y buena pesca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Iván, muita pesca, muita amizade e para culminar muita comida e bebida para terminar a jornada, esta conjuntura de factores dão muita vida e isto só se consegue nestes convívios de pesca.
      Um grande abraço de Portugal.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...